CDS disponível para apoiar estado de emergência. PCP defende um “novo paradigma”

Ao contrário do líder do CDS, Jerónimo de Sousa referiu que prolongar o estado de emergência até maio seria "um pouco mais do mesmo", devendo ser "considerado um novo paradigma".

Francisco Rodrigues dos Santos afirmou que o CDS continuará a apoiar o prolongamento de estado de emergência enquanto a situação pandémica assim o justificar. O líder do partido ressalva ainda que o Governo terá de ter uma estratégia de planeamento durante o desconfinamento gradual do país.

Em declarações aos jornalistas, esta segunda-feira, Rodrigues dos Santos disse que “enquanto for estritamente necessário, para controlar a pandemia, adotar medidas” que só a configuração legal do estado de emergência permite, o “CDS votará favoravelmente” a essa proposta do Presidente da República.

Ainda assim, o deputado considera que é altura de o Governo “prever e planear” o desconfinamento gradual da população, que já começou a ser colocado em andamento, “para que não se cometam os erros do passado”. Deste modo, considera que o desconfinamento deverá “acompanhar o processo de vacinação”, especialmente nos setores considerados “centrais” neste plano de reabertura.

Focando o caso das escolas, cuja reabertura total resulta num “fluxo de cerca de dois milhões” de pessoas, o principal rosto do CDS defende que as condições sanitárias dentro dos estabelecimentos de ensino deverão ser garantidas através da “vacinação de pessoal docente e não docente” e da “testagem massiva dentro das salas de aulas”.

Mais estado de emergência é “mais do mesmo”, diz PCP

O líder do PCP considerou, também esta segunda-feira, “um pouco mais do mesmo” a posição do Presidente de prolongar o estado de emergência até maio e defendeu medidas pelo “funcionamento e não o encerramento do país” devido à epidemia.

“É um pouco mais do mesmo. Temos um problema sério, tendo em conta a situação sanitária, mas devia ser considerado um novo paradigma”, que concilie a proteção da saúde e a reabertura da atividade, afirmou Jerónimo de Sousa na conferência de imprensa para apresentar as conclusões do comité central do partido, que esteve reunido domingo e segunda-feira, em Lisboa.

Para o secretário-geral dos comunistas, é preciso “tomar medidas de proteção sanitária, mas simultaneamente encontrar os mecanismos para que haja reabertura, desconfinamento e não para o encerramento como tudo indica que vai acontecer”.

Nas vésperas de voltar a reunir-se com o Presidente da República sobre a renovação do estado de emergência, Jerónimo anota que desconhece ao pormenor o que vai propor Marcelo Rebelo de Sousa, mas defende um “novo paradigma”.

“Tem que haver outra conceção, tendo em conta o drama que está criado no pais, que atinge milhares e milhares de portugueses” e micro, pequenas e médias empresas, “muitas já sem capacidade de reabrir”.

São necessárias, insistiu, “medidas que visem o funcionamento e não encerramento” da atividade do país.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CDS disponível para apoiar estado de emergência. PCP defende um “novo paradigma”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião