Carlos Silva foi eleito secretário-geral da UGT há oito anos e deixa liderança no próximo congresso

  • Lusa
  • 21 Abril 2021

O secretário-geral da UGT diz que a sua decisão de deixar a liderança da central sindical é irrevogável e que se quer reformar. Congresso da UGT deve ter lugar no final de outubro ou novembro.

Carlos Silva completou oito anos enquanto secretário-geral da UGT esta quarta-feira e reafirmou que deixará a liderança da central no seu próximo congresso, previsto para novembro, em Lisboa.

“Faz hoje oito anos que fui eleito secretário-geral da UGT, devia estar agora a abandonar o cargo, mas a pandemia obrigou-nos a adiar o congresso e a mim a ficar mais algum tempo, mas não vou ficar 12 anos no cargo, não posso apregoar uma coisa e fazer outra”, disse Carlos Silva à agência Lusa.

Eleito no XII congresso da UGT, que se realizou em Lisboa, nos dias dias 20 e 21 de abril de 2013, Carlos Silva sucedeu a João Proença que liderou a central sindical durante 18 anos.

Quando foi reeleito, no XIII congresso da UGT, que se realizou no Porto, a 25 e 26 março de 2017, Carlos garantiu que seria o último mandato. No entanto, vários dirigentes da UGT têm tentado convencê-lo a ficar mais quatro anos. Mas Carlos Silva assegurou à Lusa que a sua decisão é irrevogável e que se quer reformar.

O sindicalista completa 60 anos a 01 de novembro, mas já tem 43 anos de trabalho e é bancário, nos quadros do Novo Banco, não estando abrangido pela regras da segurança social para se reformar. O próximo congresso da UGT está previsto para Novembro, em Lisboa.

O vice secretário-geral da UGT Sérgio Monte disse à Lusa que o local para o congresso já está reservado, “mas tudo depende das circunstâncias” pois a reunião magna deverá contar com a participação de cerca de mil pessoas.

O congresso deveria ter-se realizado em março ou abril mas foi adiado devido à pandemia da covid-19. Antes disso, “o mais tardar em outubro”, terá de se realizar o congresso da tendência sindical socialista, para eleger quem irá substituir Carlos Silva na sua liderança.

Carlos Silva, a quem cabe convocar este congresso, disse à Lusa que gostaria de o marcar para 27 de outubro, véspera do 43.º aniversário da UGT, mas só tomará a decisão depois do 1.º de Maio. Por enquanto, só o líder da Federação dos sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, manifestou disponibilidade para se candidatar a secretário-geral da UGT.

O secretário-geral da UGT é eleito em lista uninominal pelo congresso, sendo as candidaturas propostas no mínimo por 20% dos delegados ou pelo secretariado nacional cessante.

Os estatutos da UGT determinam a limitação de mandatos para o presidente, o secretário-geral e os secretários gerais adjuntos, que não podem ser eleitos mais de duas vezes consecutivas. Mas o congresso pode autorizar, por maioria de dois terços, mais um mandato ao secretário-geral.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Carlos Silva foi eleito secretário-geral da UGT há oito anos e deixa liderança no próximo congresso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião