Governo admite ajustar diploma do teletrabalho para evitar coligação negativa

  • ECO
  • 22 Abril 2021

O Governo "tem flexibilidade" para ajustar no Parlamento o decreto-lei que mantém o teletrabalho obrigatório até ao final do ano, admitiu ao Expresso Miguel Cabrita.

O Governo já admite fazer ajustes ao decreto-lei que estende até ao fim do ano a obrigatoriedade do teletrabalho, a fim de evitar uma coligação negativa no Parlamento.

Em declarações ao Expresso (acesso pago), Miguel Cabrita, secretário de Estado Adjunto e do Trabalho, afirmou que “o Governo tem flexibilidade para, no quadro parlamentar”, alterar o referido diploma. E salientou: “Não temos uma opção fechada.”

No entanto, ainda não se sabe em que moldes poderão ser feitos esses ajustes. De recordar que o PSD defende que é preciso haver “fundamentação” para prorrogar o regime quando o país vai desconfinar, enquanto o PCP considera que não se pode “prolongar ad eternum uma imposição do teletrabalho de uma forma generalizada”, dado que ultrapassa os decretos do estado de emergência.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo admite ajustar diploma do teletrabalho para evitar coligação negativa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião