SaeR alerta para possível elevado número de “óbitos económicos” em Portugal

  • Lusa
  • 4 Maio 2021

A pandemia “vai obrigar a alterações nos fundamentos do turismo”, defende a SaeR.

O impacto da pandemia em Portugal pode levar a um elevado número de “óbitos económicos”, devido à quebra de atividade económica, diz o relatório trimestral da consultora SaeR – Sociedade de Avaliação de Estratégia e Risco.

No documento, a SaeR analisa a “estratégia orçamental portuguesa na resposta à crise”, que assentou “mais num diferimento de pagamentos do que em apoios diretos”, uma estratégia que classifica de “prudente”, tendo em conta “o nível da dívida pública e da incerteza quanto ao modo de regresso das regras orçamentais ditados por Bruxelas”.

“Contudo, dado o nível de quebra de atividade e o que esta significa (desemprego, insolvências/falências, níveis de endividamento individuais e societários, descapitalização das empresas, créditos ‘malparados’), não será de afastar que o erário público tenha que vir a assumir parte destas perdas sob pena de a economia portuguesa registar um elevado número de ‘óbitos económicos’, os quais a podem vir a penalizar significativamente e à sua competitividade, acentuar os desequilíbrios sociais e dificultar soluções governativas estáveis”, salienta.

A consultora aconselha a “reponderar o grau de afetação de fundos comunitários (esperados) a algumas destas questões. Inclusive, ‘agilizar’ que agentes económicos dinâmicos (muitas PME) não fiquem ‘presos’ ao passado por legislação fiscal-comercial desadequada à velocidade das economias e sociedades modernas”.

A SaeR diz ainda que a pandemia “vai obrigar a alterações nos fundamentos do turismo”, acrescentando que acredita que o setor deverá avançar com “um novo propósito e uma nova abordagem regenerativa, repondo ou melhorando os recursos naturais utilizados”.

Para a consultora, o “extraordinário crescimento e desenvolvimento da atividade económica do turismo e, como seu aliado, o do transporte aéreo, tem provocado avaliações económicas e sociais muito benévolas, nomeadamente quanto à distribuição da riqueza a nível global, que resulta dos fluxos originados em países ricos, com destino a geografias mais carenciadas”.

No entanto, alerta a consultora, “nos últimos tempos e também resultante dos momentos de reflexão e de reinvenção que a pandemia provocou, tem vindo a surgir uma dimensão latente, mas que se está a tornar mais clara: o ambiente e a transição climática”.

A SaeR refere, neste âmbito, que “a limitação de determinado tipo de voos, o desenvolvimento de aviões e equipamento mais eficientes do ponto de vista ecológico, alteração nas infraestruturas e processos que suportam o turismo desde aeroportos a hotéis, tudo tem vindo a ser objeto de reflexão profunda”.

A consultora destaca ainda que “uma das atividades económicas do turismo mais perversas quanto a esta dimensão é da indústria de cruzeiros, por poder ser bastante poluidora e, consequentemente, pôr em causa um dos mais importantes ecossistemas da humanidade, o mar”.

Para a SaeR, “sem respeitar a natureza e o ambiente, o turismo deixa de constituir uma necessidade e uma utilidade social, não cumprindo a sua promessa inicial”.

A organização alerta ainda para que “entre os fatores e tendências que irão ter um papel determinante na evolução do turismo numa era pós-pandémica a utilização mais intensa da internet e TIC [Tecnologias de Informação e Comunicação] é uma ‘tendência pesada’ e resulta num decréscimo de determinados tipos de fluxos de tráfego aéreo e turístico, nomeadamente nas viagens de negócios, congressos e eventos”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

SaeR alerta para possível elevado número de “óbitos económicos” em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião