“Eventos teste” ajudam a definir progressão para realização de espetáculos

  • Lusa
  • 5 Maio 2021

A ministra da Cultura, assinala que os "eventos teste" que estão a ser realizados ajudam a perceber de que forma poderá evoluir nas regras relativas à realização de espetáculos.

Os ministérios da Cultura e da Saúde estão a trabalhar para perceber a “progressão” que é possível fazer na realização de eventos, já autorizados, prevendo um balanço no final dos “eventos teste”, adiantou esta quarta-feira a ministra da Cultura.

“Neste momento, a norma que existe, 028/2020, permite realizar muitos eventos ao vivo em todo o país. O que nós queremos é perceber se a partir dessa mesma norma podemos ir mais além relativamente às regras com que hoje estamos a trabalhar”, disse a ministra da Cultura, Graça Fonseca, à margem da conferência “Cultura, Coesão e Impacto Social”, no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), a decorrer em Serralves, no Porto.

Depois da realização de dois “eventos teste”, em Braga, na passada quinta e sexta-feira, este fim de semana acontecem mais dois, um em Coimbra, no sábado, e outro em Lisboa, no domingo, com uma plateia de 1.000 pessoas cada, que terão de apresentar um teste antigénio negativo.

À semelhança do que aconteceu em Braga, um dos espetáculos contará com público sentado (Lisboa); outro, em Coimbra, com público em pé, recordou a governante.

O terceiro concerto teste, na sequência da última fase de desconfinamento, a decorrer em Coimbra, no sábado, conta com as atuações de Anaquim, The Twist Connection, Birds are Indie e Portuguese Pedro.

O quarto, em Lisboa, no domingo, traduz-se num espetáculo de comédia no Campo Pequeno, com Nilton, Aldo Lima, Tio Jel, Joana Gama e Mangope.

Assim como aconteceu com os eventos que decorreram até hoje, apenas poderão assistir pessoas que vivam em Portugal, entre os 18 e os 65 anos.

Os espectadores não podem pertencer a um dos grupos de risco definidos pela DGS, não podem ter estado infetados nos últimos 90 dias, além de terem de apresentar resultado negativo num teste à presença do SARS-CoV-2.

Os bilhetes, no valor dois euros, que incluiu o preço do teste rápido, reverterão para a União Audiovisual de apoio a profissionais do setor, sem rendimentos, por causa da pandemia.

Os primeiros concertos teste, com um público de 400 pessoas, decorreram na quinta e na sexta-feira passadas, em Braga, com o humorista Fernando Rocha e o músico Pedro Abrunhosa, respetivamente.

Estes “eventos teste” integram-se no processo de desconfinamento e servem para avaliar a exequibilidade dos espetáculos culturais com público.

O seu objetivo é perceber a “progressão” que é possível fazer na realização de eventos e espetáculos, vincou esta quarta-feira Graça Fonseca.

Os resultados destes serão avaliados pelas autoridades de saúde e, posteriormente, será feito um balanço global, sublinhou. A ministra da Cultura reforçou que, quando fala em eventos, fala em espetáculos em geral, onde estão incluídos os festivais de música.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Eventos teste” ajudam a definir progressão para realização de espetáculos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião