AEMinho “motivada” pela adesão da indústria

A Associação Empresarial do Minho conta com mais de 75 empresas já inscritas e mais de 200 que formalizaram interesse em aderir nas próximas semanas, adianta o presidente.

A Associação Empresarial do Minho (AEMinho) realizou esta sexta-feira a Assembleia Geral Constituinte, um momento que representa o arranque oficial da associação minhota que tem como premissa de defender e impulsionar a iniciativa empresarial da região do Minho e reforçar a sua resiliência e competitividade.

“Hoje é um momento duplo. Por um lado, é um culminar de um processo de constituição e foram meses intensos, mas estamos muito motivados porque tivemos a adesão de grande parte das empresas do setor industrial e tecnológico da região. Temos mais de 75 empresas já formalmente inscritas e mais de 200 que formalizaram interesse em aderir nas próximas semanas, pelo que nos dá a motivação necessária para este arranque”, realça o presidente da AEMinho, Ricardo Costa.

Gonçalo Castro, business developer do Grupo Pinto Brasil, Ricardo Salgado, CEO da DSTelecom, Isabel Carneiro, diretora geral da Polopique, Ricardo Costa, presidente a AEMinho e Ramiro Brito, CEO do Grupo Érre.

Gonçalo Castro, business developer do Grupo Pinto Brasil, Ricardo Salgado, CEO da DSTelecom, Isabel Carneiro, diretora geral da Polopique e Ramiro Brito, CEO do Grupo Érre, são os membros da comissão executiva da Associação Empresarial do Minho.

De acordo com a associação, a união deste vasto e diferenciado conjunto de empresas “permitirá trabalhar em torno de temas que a associação considera fundamentais na atualidade: transição digital, transição energética, economia circular, captação e requalificação de talento e o apoio às empresas, no sentido da internacionalização e exportação.

A transferência de conhecimento entre Universidade, centros de investigação e empresas, através da dinamização de cursos que correspondam às necessidades das empresas da região é uma das primeiras medidas a levar a cabo pela associação.

“Criar a marca do Minho como uma região inovadora, trabalhar para que a mesma seja ainda mais reconhecida a nível internacional e promover o networking e a partilha de experiências e conhecimento é o que pretendemos para os próximos tempos”, afirma Ricardo Costa.

O plano de ação da AEMinho respeita a promoção e defesa de valores fundamentais, como a ética empresarial, a solidariedade empresarial e social, o respeito pessoal e institucional, a transparência económica, o respeito e a defesa do meio ambiente e a perceção da diversidade, enquanto promotor de desenvolvimento.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

AEMinho “motivada” pela adesão da indústria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião