Supercomputação pode tornar a indústria portuguesa mais competitiva

  • Lusa
  • 14 Junho 2021

Estudo da Universidade de Coimbra e do Centro Tecnológico da Indústria de Moldes mostra que supercomputação ajuda a ganhar tempo de simulação, potenciando ganhos de produtividade e de competitividade.

A supercomputação pode permitir “ganhos substanciais de tempo de simulação”, potenciando a produtividade e a competitividade no desenvolvimento de novos produtos na indústria, concluiu um estudo da Universidade de Coimbra (UC) e do Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos (CENTIMFE), na Marinha Grande.

O estudo provou que “o uso da supercomputação leva a ganhos substanciais de tempo de simulação, potenciando ganhos de produtividade e de competitividade no desenvolvimento de novos produtos na indústria, em particular nas indústrias de moldes e plásticos”, anunciou esta segunda-feira a UC.

O estudo foi efetuado no âmbito do projeto TOOLING4G, o primeiro projeto português com a chancela da iniciativa SHAPE da rede europeia de computação avançada PRACE (Partnership for Advanced Computing in Europe).

A rede PRACE visa demonstrar as vantagens da utilização de recursos de Computação de Alto Desempenho (HPC, do inglês High-Performance Computing), vulgarmente designada supercomputação, para resolução de problemas industriais complexos, em particular das pequenas e médias empresas (PME).

A iniciativa SHAPE tem por missão dotar as PME europeias com a experiência necessária para beneficiarem das possibilidades de inovação criadas pela computação de alto desempenho.

O caso de estudo focou-se numa simulação de dinâmica de fluidos computacional com interesse para a indústria de moldes e plásticos, nomeadamente no desenvolvimento de uma nova geração de sistemas de aquecimento, ventilação e ar condicionado (AVAC) para automóveis, muito mais silenciosos do que os atuais, garantindo um maior conforto acústico aos utilizadores, revela a UC, numa nota enviada à agência Lusa.

As simulações realizadas no supercomputador Navigator Plus do Laboratório de Computação Avançada da UC pelo CENTIMFE demonstraram grandes ganhos de tempo.

A simulação em computação tradicional com quatro cores demoraria 74 dias, no Navigator Plus, usando 64 cores, o processo foi concluído em seis dias (144 horas), exemplifica a UC.

De acordo com Rui Tocha, diretor-geral do CENTIMFE, os resultados obtidos assumem particular “relevância para as indústrias dos moldes e plásticos, uma vez que foi claramente demonstrado que o recurso à computação de alto desempenho permite desenvolver e analisar novos conceitos durante as etapas iniciais de projeto, reduzindo ou evitando alterações posteriores que apresentam custos mais significativos”.

Considerando que as indústrias de pequena e média dimensão não “dispõem de recursos informáticos avançados para realizar este tipo de cálculos complexos, a utilização de HPC pode fornecer às PME ferramentas essenciais para resolver problemas complexos”, sublinha, citado pela UC, o responsável do CENTIMFE.

Para Pedro Vieira Alberto, diretor do Laboratório de Computação Avançada da UC, este projeto, além de ser um bom exemplo de parceria entre academia e indústria, “comprova que o uso da computação de alto desempenho traz grandes benefícios para a indústria nacional, tornando-a mais competitiva”.

Este estudo, sublinha, “evidencia que o HPC permite melhorar processos e aumentar a produtividade, bem como reduzir custos e aumentar a qualidade e a velocidade da produção”.

Por outro lado, a utilização da supercomputação nas PME nacionais “cria novas competências na área em Portugal, uma vez que, atualmente, para efetuar este tipo de cálculos sofisticados, a indústria tem de recorrer a empresas estrangeiras”, conclui.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Supercomputação pode tornar a indústria portuguesa mais competitiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião