Uma em cada quatro PME não teve qualquer ajuda na pandemia

  • ECO
  • 5 Julho 2021

Relatório mostra que houve 25,5% de PME sem qualquer ajuda, direta ou indireta. Apoios de Portugal foram os segundos mais baixos entre os países da OCDE

A ajuda que o Estado português deu às pequenas e médias empresas (PME) durante a pandemia foi a segunda mais baixa dentro da OCDE, mostra o mais recente relatório da organização. O documento, citado pelo Público (acesso pago), revela que o auxílio direto estatal rondou os 3,6% do PIB, sendo que uma em cada quatro PME não recebeu qualquer ajuda.

“É um valor baixo comparado com o que outros países da OCDE gastaram para apoiarem a economia em 2020, em percentagem do PIB”, diz Pierre-Alain Pionnier, economista sénior da OCDE, referindo-se aos 3,6% do PIB que Portugal gastou no apoio às PME durante a pandemia. Portugal ficou atrás do México, que gastou 0,6% do seu PIB em apoios às PME, da Colômbia, Turquia e Chile. A liderar a lista nos apoios estatais está a Nova Zelândia, com 18% do PIB aplicado.

De acordo com o relatório da OCDE, houve 25,5% de PME (com quebra de vendas de 40% ou mais) sem qualquer ajuda, direta ou indireta (diferimento de impostos, garantias públicas, etc.) num período de crise.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Uma em cada quatro PME não teve qualquer ajuda na pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião