TAP alerta para “iminente disrupção operacional” após “rejeição de acordo” pela Groundforce

A TAP mostrou-se “preocupada" com a "disrupção operacional” que será causada pela rejeição do acordo proposto à Groundforce. Não "compreende" a decisão da empresa de "handling".

A TAP “não compreende” porque é que a Groundforce rejeitou a proposta de “adiantamento de fundos” para o pagamento dos subsídios de férias aos trabalhadores. Depois de a empresa de handling ter considerado “inaceitáveis” as condições exigidas pela TAP, esta última mostra-se agora “preocupada com a iminente disrupção” que isso vai causar na operação da companhia aérea.

“A TAP SA disponibilizou-se para fazer um novo adiantamento de fundos à Groundforce por conta de serviços prestados ou a prestar para que esta empresa pudesse pagar os subsídios de férias dos seus trabalhadores”, recorda a empresa, num comunicado. Mas o acordo foi rejeitado pela Groundforce esta quarta-feira, como noticiou o ECO.

Face a isso, a transportadora aérea refere que “a rejeição do acordo coloca em causa o cumprimento do pagamento aos trabalhadores, o que pode trazer consequências prejudiciais à atividade da TAP“. Para além de não compreender a rejeição da proposta, a TAP reitera “que não é devedora, mas, antes, credora” da Groundforce.

De acordo com a TAP, “em causa estava a disponibilização de forma imediata e a título excecional de fundos a título de adiantamento do pagamento de serviços prestados ou a prestar pela Groundforce à TAP SA, destinados exclusivamente a permitir o pagamento dos subsídios de férias dos trabalhadores da referida empresa de prestação de serviços de assistência em terra”.

Na proposta agora rejeitada, a TAP informa que a Groundforce “deveria utilizar o montante adiantado exclusivamente para o pagamento do subsídio de férias dos seus trabalhadores, assim como os montantes inerentes a IRS e Segurança Social das suas remunerações, o que estabilizaria, de imediato, a situação socioeconómica dos trabalhadores da Groundforce”.

A TAP adianta ainda que “tem vindo a ajudar à sobrevivência da Groundforce nos últimos meses, adiantando, àquela empresa, pagamentos por serviços prestados ou a prestar à TAP SA, num montante total que ascendia a 12,3 milhões de euros até janeiro deste ano”.

Segundo a TAP, em março, “dada a grave crise em que a Groundforce se encontrava, comprometendo o pagamento dos salários dos seus trabalhadores, e à falta de outras soluções para a superar, foi possível, através da celebração de um contrato de compra e venda de equipamentos no valor de cerca de sete milhões de euros e de um contrato de aluguer de equipamentos, que a TAP transferisse para a Groundforce o montante necessário para que esta empresa pudesse, nomeadamente, pagar os salários em falta dos seus trabalhadores”.

Na ótica da TAP, “estes contratos são plenamente válidos e eficazes e a decisão unilateral de os considerar nulos emitida pela Groundforce é ilegítima e não tem força vinculativa na ausência de uma decisão judicial que a suporte (a qual, nesta data, não existe)”.

Sindicato convoca greve na Grounforce para agosto

A situação operacional da TAP pode ainda ser ameaçada por greves. O Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes de Portugal convocou uma greve na Groundforce para todo o mês de agosto, avançou a TSF.

O sindicato justifica este protesto com a situação “insuportável” na empresa. “Os trabalhadores estão no meio desta batalha desde janeiro. Chegámos à rotura e não temos qualquer tipo de hipótese se não avançar com uma greve, de forma a que todos os agentes envolvidos nesta situação assumam as suas responsabilidades”, lamenta o sindicalista Pedro Magalhães, em declarações à rádio.

(Notícia atualizada pela última vez às 18H25 com informações sobre a greve na Grounforce)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

TAP alerta para “iminente disrupção operacional” após “rejeição de acordo” pela Groundforce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião