Mercado automóvel ainda longe de recuperar da pandemia

  • Carolina Bento
  • 2 Agosto 2021

Em julho de 2021 foram vendidos 14.219 automóveis em Portugal, menos 21,4% do que em julho de 2020 e menos 34,7% do que no mesmo mês de 2019.

Dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) mostram que as vendas de carros no primeiro semestre de 2021 foram piores do que em 2020 e que o setor ainda está longe de recuperar dos efeitos da pandemia.

Em julho de 2021 foram vendidos 14.219 automóveis em Portugal, menos 21,4% do que em julho de 2020 e menos 34,7% do que no mesmo mês de 2019. Entre janeiro de julho de 2021 vendeu-se um total de 113.541 veículos novos, sendo uma quebra de 34,2% em relação ao período homólogo de 2019, “apesar da comparação com 2020 mostrar um aumento de 18,1%”, diz a Acap.

Quanto a automóveis ligeiros de passageiros, venderam-se cerca de 12.323 em julho deste ano, menos 33,2% do que em julho de 2019 e, ainda, menos 19% do que no mesmo mês no ano passado.

Nos primeiros sete meses de 2021 venderam-se 93.768 veículos, ou seja, menos 36,2% em relação ao mesmo período de 2019. Contudo, durante este período, as vendas aumentaram 17,1% face aos primeiros sete meses de 2020.

De entre as marcas analisadas, a Skoda aumentou 109,3% os automóveis matriculados em julho de 2021, com 247 de ligeiros de passageiros face a 118, em julho de 2020. Nos primeiros sete meses de 2021, aumentou 87,8%, com 1.228, em comparação com 654 entre janeiro e julho de 2020.

Quanto a automóveis ligeiros de mercadorias, em julho de 2021, as vendas desceram 48,3% relativamente ao mesmo mês de 2019. No total, em julho deste ano, venderam-se 1.622 automóveis, também uma diminuição de 35,9% face ao mesmo mês do ano passado. Entre janeiro e julho de 2021 venderam-se 16.931 automóveis ligeiros de mercadorias, menos 23,6% do que em 2019 e mais 19,6% do que em 2020.

No mercado dos automóveis ligeiros de mercadorias, as maiores quebras registaram-se na marca FUSO, tendo diminuído 94,2%, equivalente a apenas três carros vendidos em julho de 2021, face aos 52 vendidos no mesmo mês do ano passado. Ainda assim, a marca registou uma variação positiva entre janeiro e julho de 2021, com um aumento de 70,2%. Nos primeiros sete meses de 2021, venderam-se 519 automóveis, ao passo que no ano passado, se venderam 305.

Num total de 45 marcas de automóvel, apenas 11 tiveram saldo positivo entre os meses de julho de 2021 e 2020. A Skoda aumentou as vendas em 109,3%, tendo vendido 247 carros em junho de 2021, mais 129 carros do que em junho de 2020, quando venderam 118.

Em segundo lugar, surge a Kia, com um aumento de 51,1% de vendas. A marca vendeu 568 carros em julho de 2021, face aos 376 vendidos em 2020. A Mistubishi vendeu, em julho de 2021, 253 carros, mais 48% dos vendidos em julho de 2020, que foram 171, tendo comercializado 253 automóveis ligeiros de passageiros no mês de julho de 2021.

Quanto aos pesados de passageiros, No mês de julho, foram vendidos 36 automóveis pesados de passageiros, um aumento de 20% face a julho de 2020. Entre janeiro e julho de 2021, venderam-se 331 automóveis pesados de passageiros, mais 17,4% do que no mesmo período do ano passado, quando se venderam 282.

No mercado dos pesados de mercadorias, a Isuzu teve um aumento de 700% nas vendas, em julho de 2021, tendo vendido 8 nesse mês, em comparação com o único vendido no mesmo mês do ano passado. Nos primeiros sete meses de 2021, teve um aumento de 150% das vendas, tendo vendido 70 neste ano, face aos 28 vendidos no período homólogo de 2020.

A Ford aumentou em 100% os automóveis vendidos em julho de 2021, 8, face aos 4 vendidos no mesmo mês de 2020. Assim, nos primeiros sete meses de 2021, as vendas aumentaram em 189,7%, tendo vendido 113 automóveis em comparação com os 39 vendidos em 2020.

Entre janeiro e julho de 2021, o maior aumento de vendas que se registou foi da marca Mercedes-Benz, 234,8%, ou seja, foram vendidos 442 automóveis nesse período, enquanto no ano passado foram vendidos 132.

Por outro lado, a Fiat não vendeu um único automóvel pesado de mercadorias. No ano passado, no mesmo mês, vendeu apenas um. A mesma tendência registou-se nos primeiros sete meses de 2021, face a 2020.

A MAN vendeu menos 75,7% dos automóveis pesados de mercadorias, em julho de 2021, quando comercializou 18, comparados com 74 em julho de 2020. Ainda assim, teve uma variação positiva entre janeiro e julho de 2021, com mais 47.7% de vendas, que se traduziram em 412 automóveis, face a 279 vendidos em 2020.

Na generalidade dos automóveis pesados (de passageiros + mercadorias), em julho deste ano, venderam-se 274, um aumento de 26,3 relativamente ao mesmo mês de há dois anos. Contudo, quando comparado com o ano passado, houve uma diminuição de 24,5%. De janeiro a julho deste ano, venderam-se 2.842 automóveis, menos 13,7% relativamente a 2019 e mais 50,1% do que em 2020.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Mercado automóvel ainda longe de recuperar da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião