Quer provar uma barra proteica de inseto com sabor a laranja? Já está à venda

Comercialização deste tipo de produtos com base em farinha de inseto surge depois da Direção-Geral da Alimentação e Veterinária ter autorizado o consumo de sete espécies de insetos no País.

Vai uma trinca numa barra proteica à base de inseto com sabor a laranja e figo? E que tal um snack de inseto desidratado com sal marinho? Agora já pode encontrar esta oferta nos supermercados nacionais, pelo menos, em alguns hipermercados Continente. A cadeia da Sonae MC é o primeiro retalhista alimentar nacional a comercializar produtos alimentares à base de insetos, após a Direção-Geral da Alimentação e Veterinária (DGAV) ter autorizado o consumo de sete espécies de insetos no País, anunciou a empresa.

“O investimento em produtos inovadores é uma aposta constante do Continente. Pretendemos dar a conhecer novos produtos e sensibilizar os clientes para os benefícios de uma alimentação saudável e sustentável, promovendo, sempre que possível, produtos nacionais. Esperamos uma reação de grande interesse por parte dos nossos clientes. Os portugueses têm vindo a mudar a sua alimentação e isso vê-se na alteração de padrões de consumo. O consumo de insetos é uma tendência mundial, com propriedades nutritivas muito interessantes e com custos de produção inferiores, além da redução de impacto ambiental”, explica Paula Jordão, diretora comercial da Sonae MC, citada em comunicado.

Os produtos, produzidos pela startup Portugal Bugs de Matosinhos, têm por base a farinha feita a 100% a partir de Tenebrio Molitor (larva da farinha) “rica em proteína e fonte de fibra e pode ser utilizada para enriquecer receitas de pão, bolachas, bolos, panquecas, batidos”, informa o Continente. Começam a ser comercializados depois de a DGAV ter dado luz verde para consumo humano de alguns insetos em Portugal seguindo uma tendência mundial de consumo, num momento em que a atenção dos consumidores com a sustentabilidade ambiental tem aumentado.

Consumidos por cerca de um terço da população mundial, os “insetos constituem uma fonte proteica sustentável, são ricos em fibra, vitaminas, minerais e em ácidos gordos essenciais”, refere a cadeia. “Estes produtos podem causar reações alérgicas a consumidores com alergia conhecida a crustáceos e produtos derivados e aos ácaros do pó”, alerta.

“Quando comparada com outras fontes proteicas animais, a produção de insetos tem menor impacto ambiental devido à menor pegada hídrica, menor emissão de gases com efeito de estufa, menor consumo de ração e menor exigência de solo fértil”, destaca.

No Continente os produtos vão ser comercializadas com selo Continente Food Lab, entre 1,79 euros (barra proteica de inseto com sabor chocolate e amêndoa; figo e laranja, maçã e canela ou manteiga de amendoim e mel) e 9,95 euros, caso da farinha de inseto, com os snacks de inseto desidratado (com pimenta cayenne ou com sal marinho) à venda por 4,55 euros, nos corner do Continente Food Labs presentes em 10 hipermercados da cadeia – em Matosinhos, Colombo, Gaia Shopping, Gaia Jardim, Telheiras, Oeiras, Vasco da Gama, Cascais, Antas e CoimbraShopping – estando também cobertas as zonas da Grande Lisboa e Porto através do Continente Online. Brevemente, estarão também disponíveis na loja Continente Labs, localizada no centro de Lisboa, informa a marca.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Quer provar uma barra proteica de inseto com sabor a laranja? Já está à venda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião