EUA financiaram manipulação de coronavírus em Wuhan

  • ECO
  • 20 Setembro 2021

Em causa estão 900 páginas de relatórios laboratoriais que apontam que os EUA atribuíram 3,1 milhões de dólares a projetos de investigação relacionados com o estudo de novos coronavírus na China.

Uma investigação realizado pelo The Intercept (acesso livre, conteúdo em inglês) revela que os EUA financiaram vários projetos com o intuito de identificarem e manipularem novas variantes de coronavírus em laboratórios na China.

Em causa estão 900 páginas de relatórios laboratoriais que apontam, que, entre 2014 e 2019, os EUA atribuíram 3,1 milhões de dólares a projetos de investigação relacionados com o estudo de novos coronavírus na China. Segundo a mesma publicação, estas investigações, envolveram recolhas de amostras de morcegos e análises em laboratórios em Wuhan, província chinesa que foi considerada o primeiro epicentro do SARS-CoV-2.

Estes projetos foram financiados pelo EcoHealth Alliance, uma organização não-governamental norte-americana, bem como pelo Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA, contando com a colaboração do Instituto de Virologia de Wuhan. O financiamento foi renovado em 2019, mas suspenso pela Administração Trump em abril de 2020.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

EUA financiaram manipulação de coronavírus em Wuhan

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião