37% dos infetados por Covid-19 ficam com pelos menos um sintoma de longo prazo

Os sintomas mais comuns são problemas respiratórios, fadiga, dor e ansiedade, de acordo com estudo da Universidade de Oxford. Sintomas foram encontrados em 37% dos pacientes após serem infetados.

Pelo menos um sintoma de longo prazo foi encontrado em 37% das pessoas infetadas com a Covid-19 passados entre três a seis meses depois de serem infetados com o vírus, de acordo com um estudo da Universidade de Oxford e do Instituto Nacional de Investigação da Saúde.

Os sintomas mais comuns são problemas respiratórios, fadiga, dor e ansiedade, diz a Universidade de Oxford, depois de investigar sintomas em mais de 270 mil pessoas em recuperação, avança a Reuters (acesso livre).

De acordo com o estudo, os sintomas são mais frequentes entre as pessoas que tinham sido anteriormente hospitalizadas com a Covid-19 e são ligeiramente mais comuns entre as mulheres. As pessoas mais idosas e os homens apresentam mais dificuldades respiratórias e problemas cognitivos, enquanto nos jovens e mulheres os sintomas mais comuns são dores de cabeça, sintomas abdominais e ansiedade ou depressão.

“Precisamos de identificar os mecanismos subjacentes aos diversos sintomas que podem afetar os sobreviventes”, diz o professor da Universidade de Oxford Paul Harrison. Para o docente, esta informação “será essencial para prevenir ou tratar eficazmente as consequências a longo prazo da Covid-19 para a saúde”, acrescentou Harrison.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

37% dos infetados por Covid-19 ficam com pelos menos um sintoma de longo prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião