Marcelo espera que subida de preços da energia não se prolongue prejudicando a economia

  • Lusa
  • 14 Outubro 2021

Marcelo Rebelo de Sousa disse que as medidas apresentadas pela Comissão Europeia são de curto prazo, até março, abril do próximo ano.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira esperar que a atual subida de preços da energia não se prolongue para além de “março, abril” de 2022, prejudicando a recuperação económica.

Em resposta a questões dos jornalistas, no final de uma visita a uma escola secundária na Amadora, distrito de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que a Comissão Europeia “tem um pacote de medidas ou de sugestões” aos Estados-membros “para o curto prazo, até março, abril”, acreditando que depois disso “os fatores que pesam hoje já não pesarão”.

É de esperar ou é de desejar que a situação não se prolongue nos termos que existem hoje para além de março e abril, porque aí começaria a pesar ainda mais naquilo que todos desejamos, que é a recuperação do tempo perdido na economia na Europa e no mundo”, acrescentou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa enquadrou este assunto como um problema global e uma preocupação coletiva: “A questão dos combustíveis preocupa todos os partidos, preocupa Governo e oposições, em Portugal, na vizinha Espanha, na União Europeia e em múltiplos países do mundo, porque os fatores que estão a pesar no preço são em muitos casos comuns a vários países do mundo”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Marcelo espera que subida de preços da energia não se prolongue prejudicando a economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião