Presidente do Bundesbank demite-se “por razões pessoais” após dez anos no cargo

  • ECO e Lusa
  • 20 Outubro 2021

"Estou convencido de que mais de dez anos é uma boa medida de tempo para abrir outro capítulo para o Bundesbank, mas também para mim pessoalmente", escreveu Weidmann.

O presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, demitiu-se “por razões pessoais” com efeitos a partir de 31 de dezembro, após uma década na liderança do banco central alemão, anunciou esta quarta-feira a instituição.

Weidmann pediu esta quarta-feira ao Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, para deixar o cargo, que ocupa desde maio de 2011.

“Estou convencido de que mais de dez anos é uma boa medida de tempo para abrir outro capítulo para o Bundesbank, mas também para mim pessoalmente”, escreveu Weidmann numa carta aos trabalhadores do banco a quem agradeceu pelo que alcançaram juntos.

O ambiente em que operamos mudou muito e as tarefas do Bundesbank cresceram. A crise financeira, a crise da dívida soberana e, finalmente, a da pandemia levaram a decisões políticas e monetárias que terão um efeito duradouro”, disse Weidmann.

Weidmann salientou também que nos últimos dez anos considerou importante que “a voz clara orientada para a estabilização do Bundesbank continuasse a ser claramente audível”.

O presidente demissionário agradeceu aos membros do Conselho do Banco Central Europeu (BCE), sob a liderança de Christine Lagarde, pelo “ambiente aberto e construtivo nas discussões por vezes difíceis dos últimos anos”. Também sublinhou o papel estabilizador da política monetária durante a pandemia, bem como a modificação bem-sucedida da estratégia do BCE.

Weidmann acredita que para o futuro será decisivo para o BCE “não só olhar unilateralmente para os riscos de deflação, mas também não perder de vista os perigos da inflação”.

A presidente do Banco Central Europeu (BCE) lamentou a saída de Jens Weidmann e realçou a sua “experiência inigualável que estava sempre pronto a partilhar”.

Em comunicado, Christine Lagarde afirma que “Jens é um bom amigo pessoal com cuja lealdade poderia sempre contar”, sublinhando que “como membro mais antigo do Conselho do BCE, tinha uma experiência inigualável que estava sempre pronto a partilhar”.

A presidente do BCE recordou que os dois tinham construído uma “relação muito forte e produtiva baseada no seu compromisso conjunto de aprofundar a unidade europeia, cumprindo o mandato de estabilidade de preços do BCE, ajudando a economia da zona euro durante a crise sem precedentes causada pelo novo coronavírus e estabilizando a economia global afetada pelos efeitos da pandemia”.

Lagarde salienta que, embora Weidmann tivesse opiniões claras sobre a política monetária, procurou sempre “pontos comuns no Conselho do BCE” com a sua empatia e vontade de chegar a acordo, algo que foi evidente na revisão da estratégia do BCE, onde contribuiu para o acordo unânime alcançado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Presidente do Bundesbank demite-se “por razões pessoais” após dez anos no cargo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião