Novo salário mínimo dá isenção de IRS a mais 570 mil famílias

  • ECO
  • 13 Novembro 2021

O mínimo de existência deverá subir à boleia do salário mínimo, deixando mais 570 mil famílias de baixos rendimentos isentas de IRS, em 2022.

O universo de contribuintes isentos de IRS deverá crescer no próximo ano à boleia da subida do salário mínimo nacional para 705 euros mensais, assunto que começará a ser discutido a 16 de novembro na Concertação Social. Segundo avança, este sábado, o Público (acesso condicionado), mais 570 mil famílias de baixos rendimentos deverão ficar isentas de imposto.

Tal como o ECO já tinha escrito, o chamado mínimo de existência deverá aumentar em 2022, uma vez que é indexado à retribuição mínima mensal garantida. Esse limiar deverá passar para 9.875 euros anuais de rendimento, o que leva agora o Ministério das Finanças a estimar que “esta subida possa ter impacto em mais de 570 mil agregados“. Ou seja, passará a haver cerca de 1,7 milhões de agregados cobertos pela regra da isenção do IRS.

O mínimo de existência é uma espécie de rendimento mínimo após a aplicação dos impostos, isto é, sempre que o rendimento depois da tributação é inferior a esse valor o Estado abdica do IRS.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Novo salário mínimo dá isenção de IRS a mais 570 mil famílias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião