EMA tem estudos que apontam para prazo mais curto da dose de reforço da vacina Covid-19

  • ECO
  • 17 Novembro 2021

Estes estudos apontam também que a dose de reforço poderá ser realizada com uma vacina diferente da usada nas doses iniciais, nomeadamente no caso da AstraZeneca e da Janssen.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) tem estudos preliminares relativos à dose de reforço da vacina contra a Covid-19, que indicam que o intervalo de seis meses agora exigido entre a segunda dose e a dose de reforço poderá ser mais curto, segundo revela o Público (acesso condicionado).

Estes estudos apontam também que a dose de reforço poderá ser realizada com uma vacina diferente da usada nas doses iniciais, nomeadamente quando a vacina usada antes foi do tipo de vector viral (a AstraZeneca e a vacina da Janssen). A entidade vai rever estes dados e tornar pública uma recomendação quando a avaliação estiver terminada.

Os dados preliminares que estão a ser analisados são de estudos sobre reforços heterólogos [em que a dose da vacina de reforço foi diferente da usada antes] e “indicam que o reforço pode ser dado mais cedo, para obter um aumento rápido dos anticorpos”, afirmou a porta-voz da EMA, Laure Herold, ao Público.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

EMA tem estudos que apontam para prazo mais curto da dose de reforço da vacina Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião