BRANDS' ECO Criação de valor com a IA

  • BRANDS' ECO
  • 15 Dezembro 2021

Principais casos de uso por indústria: os consolidados e os emergentes.

Depois de décadas como utopia de ficção científica, a inteligência artificial (IA) deu o salto para a realidade quotidiana e está rapidamente a afirmar-se como uma necessidade competitiva. No entanto, no frenesim atual de avanço e adoção da IA, muitos líderes e decisores ainda têm questões basilares sobre o que a IA pode realmente fazer pelos seus negócios.

Hervé Silva, Partner at Deloitte Portugal and Lead Partner of Artificial Intelligence & Data (AI & Data). Vice President at DSPA – Data Science Portuguese Association

Com o propósito de ajudar a clarificar as questões supracitadas e de acelerar a adoção e entrega de valor de IA, a Deloitte elaborou recentemente um compêndio (The AI dossier) com dezenas de casos de uso de IA, os mais interessantes e maduros para os negócios de seis grandes indústrias. Cada caso de uso apresenta um resumo dos principais problemas e oportunidades de negócio a endereçar, como a IA pode ajudar e os benefícios que provavelmente serão alcançados. O dossiê também inclui vários casos de uso de IA emergentes para cada setor, que se espera que tenham um impacto assinalável no futuro.

Os melhores casos de uso de IA variam, naturalmente, de uma organização para outra, e há bastantes outros, igualmente relevantes, para além dos compilados neste dossier.

"Contudo, esta coletânea dá uma noção muito clara do que a IA é capaz de alcançar no contexto de uma empresa – agora e nos próximos anos – para suportar a tomada de decisões inteligentes sobre quando, onde e como implementar IA dentro das organizações, para além do tempo, investimento e atenção que implica.”

Hervé Silva,

Partner at Deloitte Portugal and Lead Partner of Artificial Intelligence & Data (AI & Data). Vice President at DSPA - Data Science Portuguese Association

Como a IA cria valor para o negócio?

Observando todos os casos de uso de IA coligidos no dossier, há seis vetores principais de criação de valor para uma organização que sobressaem:

  • Redução de custos: Aplicação de IA e de soluções de automação inteligente para automatizar tarefas de baixo valor e muitas vezes repetitivas, reduzindo custos por via de maior eficiência e qualidade. Disso é exemplo a automatização da entrada de dados e do agendamento de consultas com o paciente usando processamento de linguagem natural.
  • Velocidade de execução: Redução do tempo necessário para alcançar resultados, operacionais e de negócio, minimizando a latência. Neste caso podemos mencionar a aceleração do processo de aprovação de medicamentos usando insights preditivos para criar um ensaio sintético.
  • Redução da complexidade: Melhoria da compreensão e da tomada de decisão através de análises que são mais proativas, preditivas e capazes de identificar padrões em fontes cada vez mais complexas. Este vetor está patente na redução do tempo de inatividade de uma fábrica decorrente da previsão das necessidades de manutenção das máquinas.
  • Transformação da experiência: Mudança da forma como as pessoas interagem com a tecnologia, permitindo que as empresas se envolvam com pessoas em termos humanos ao invés de forçar os humanos a interagir em termos de máquina. Atualmente é já comum o uso de bots de conversação que podem entender e responder a sentimentos do cliente para endereçar as suas necessidades com maior eficácia.
  • Inovação: Redefinição de onde apostar e como ganhar usando IA, ativando novos produtos inovadores, mercados e modelos de negócio. A título de exemplo podemos mencionar a recomendação de novos conceitos de produto e novas características a incorporar nos produtos existentes baseada em necessidades e preferências dos clientes extraídas de redes sociais.
  • Reforço da confiança: Proteção de uma empresa relativamente a riscos de fraude e cibernéticos que permitirá a melhoria da qualidade e consistência promovendo maior transparência e aumento da confiança na marca. Exemplificando, a identificação antecipada de possíveis ataques cibernéticos.

Embora as taxas de adoção de IA e dos níveis de maturidade variem significativamente entre setores – e mesmo dentro deles – parece não haver dúvida de que a IA veio para ficar. Na verdade, a IA está rapidamente a afirmar-se como uma necessidade competitiva para quase todos os negócios, potenciando níveis de eficiência e desempenho sem precedentes e tornando-os alcançáveis por empresas de todas as indústrias e dimensões, para fazer coisas que simplesmente não eram possíveis anteriormente.

A chave do sucesso é começar pequeno, mas pensar grande

De acordo com outro estudo da Deloitte – State of AI in the Enterprise, 3rd Edition – 74% das empresas inquiridas ​​ainda estão num estágio de experimentação de IA, com um foco na modernização dos seus dados e na construção de valências em IA por meio de uma variedade de programas-piloto isolados e provas de conceito, mas sem uma clara visão de como todas as peças se encaixam. Por contraste, apenas 26% das empresas inquiridas estão focadas na implementação de casos de uso de IA de elevado impacto e em escala, que é quando o valor real entra em ação.

Não importa o quão interessante um caso de uso de IA possa parecer no papel, o seu valor só é realmente desbloqueado se adotado e implementado em escala numa empresa ou ecossistema.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Criação de valor com a IA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião