“Não há razão absolutamente nenhuma” para ERSE alterar proposta de aumento na luz, diz Governo

  • Lusa
  • 15 Dezembro 2021

Matos Fernandes acredita que a ERSE deve manter esta quarta-feira a proposta de aumento de 0,2% na eletricidade em mercado regulado.

O ministro do Ambiente considerou que “não há razão absolutamente nenhuma” para que o regulador do setor energético se pronuncie esta quarta-feira de forma diferente em relação à proposta de aumentos de 0,2% na eletricidade em mercado regulado.

Estou profundamente convencido de que não há razão absolutamente nenhuma para que [a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE)] se pronuncie de forma diferente do que se pronunciou no dia 15 de outubro”, afirmou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes.

O governante falava na sessão de abertura da cerimónia de comemoração dos 20 anos da Adene – Agência para a Energia, que decorre esta tarde, no Capitólio, em Lisboa.

A ERSE anuncia esta quarta-feira os preços da eletricidade para os consumidores do mercado regulado no próximo ano, estando em cima da mesa um aumento de 0,2% face à média deste ano.

A proposta de 0,2% foi anunciada pelo regulador no dia 15 de outubro, e submetida ao parecer do Conselho tarifário, que tem até esta quarta para aprovar os preços da energia que serão aplicados a partir de 1 de janeiro.

Matos Fernandes sublinhou a importância das energias de fontes renováveis para a manutenção dos preços da eletricidade no mercado regulado, mesmo num contexto “estranho” no que diz respeito aos preços nos mercados grossistas, influenciado pelo preço do gás que o governante admitiu duvidar que se deva apenas à lei da “oferta e da procura”.

Vários especialistas e agentes políticos ocidentais têm defendido que a Rússia agravou propositadamente a escassez de energia na União Europeia, como forma de pressionar a Alemanha a aprovar o funcionamento do gasoduto Nord Stream 2 (que os Estados Unidos tentam travar), que liga os dois países através do Mar Báltico, deixando de ser necessário que o transporte se faça através da Ucrânia, até agora a porta de entrada do gás russo na Europa.

Alguns receiam que a Ucrânia fique novamente ‘na mira’ do Presidente russo, Vladimir Putin, quando deixar de ser essencial como país de trânsito para o gás natural, depois de em 2014 a Rússia ter anexado ilegalmente a região ucraniana da Crimeia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Não há razão absolutamente nenhuma” para ERSE alterar proposta de aumento na luz, diz Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião