Pessoas com vacinação completa com risco de morte três a cinco vezes menor

  • Lusa
  • 25 Dezembro 2021

Na população com 80 e mais anos a dose de reforço reduz o risco de morte por covid-19 quase para metade em relação a quem tem o esquema vacinal completo.

O risco de morte para os casos de covid-19 diagnosticados em novembro deste ano, nas pessoas com vacinação completa, era três a cinco vezes menor do que nas pessoas sem esta cobertura, segundo o relatório das linhas vermelhas.

De acordo com o mais recente relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), com a Monitorização das linhas vermelhas para a covid-19, atualizado na quarta-feira, “entre 01 e 31 de outubro de 2021, os casos com esquema vacinal completo parecem apresentar um risco de hospitalização aproximadamente duas a seis vezes inferior aos casos não vacinados”.

Os autores do documento ressalvam que “estes resultados apenas têm em consideração a ocorrência de hospitalização, independentemente de características específicas dos casos, pelo que devem ser enquadrados com os dos estudos de efetividade vacinal, que têm em consideração esses fatores, e interpretados com precaução, dados os métodos diferentes utilizados por cada abordagem”.

Relativamente à ocorrência de óbitos por covid-19, tendo em conta o estado vacinal, verificou-se que, no mês de novembro ocorreram 195 óbitos (65%) em pessoas com esquema vacinal completo contra a covid-19, 10 (3%) óbitos em pessoas com dose de reforço e 95 óbitos (32%) em pessoas não vacinadas ou com vacinação incompleta.

“Na população com 80 e mais anos a dose de reforço reduz o risco de morte por covid-19 quase para metade em relação a quem tem o esquema vacinal completo, e reduz mais de cinco vezes o risco de morte em relação aos não vacinados”, lê-se no relatório.

Variante Ómicron já é dominante em Portugal

A variante Ómicron já é a dominante em Portugal, com uma proporção de casos estimada em 61,5%, segundo o relatório semanal de monitorização das “linhas vermelhas” para a covid-19, divulgado esta sexta-feira pelas autoridades de saúde.

O mais recente relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), com a Monitorização das linhas vermelhas para a covid-19, aponta ainda a pressão nos serviços de saúde e o impacto na mortalidade que “são elevados, embora com tendência estável, revelando assimetrias regionais”.

O documento indica que a mortalidade específica por covid-19 (21,8 óbitos em 14 dias, por 1.000 000 habitantes) apresenta também “uma tendência estável”.

Esta taxa de mortalidade revela um impacto elevado da pandemia na mortalidade”, adiantam as autoridades.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pessoas com vacinação completa com risco de morte três a cinco vezes menor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião