Quais as maiores seguradoras em 1952 e onde estão hoje

Só 3 das 30 maiores companhias em 1952 conservam as marcas, muitas foram integradas mas nenhuma desapareceu na história. Fidelidade teria hoje mais de metade do mercado. Veja o ranking.

O edifício do Largo do Chiado nº8, onde está hoje a Fidelidade Arte, era a sede de A Mundial, seguradora líder de mercado em 1952.

Depois de 70 anos de nacionalizações, fusões, privatizações e transferências de carteiras a Fidelidade é hoje a líder no mercado português com 28% de quota. Nem sempre foi assim, em 1952 a seguradora era a 4ª maior no mercado nacional e se, desde aí, muitas marcas desapareceram, ficaram as suas memórias e muitas vezes as apólices.

Este trabalho, que revela quais eram as maiores seguradoras do mercado em 1952 e o que lhes aconteceu, foi possível devido a um documento que nos foi facultado pelo nosso leitor José António Sousa a quem renovamos os agradecimentos. O documento impresso na tipografia da Companhia de Seguros A Mundial, provavelmente a fonte, lista por volume de produção as 30 principais companhias de seguros com atividade em Portugal em 1952.

O documento original, fonte principal para apurar ranking e dimensão das seguradoras em 1952

Para análise assumimos que as 30 maiores à época representavam 100% do mercado já que a diferença entre os 130 mil contos de produção da 1ª e os cerca de 10 mil contos da 30ª é de 13 vezes. Para converter em euros usámos a conversão oficial de 1 euro igual a 200, 482 escudos utilizado em 1 de janeiro de 2002. Para atualizar os valores desde 1952 até aos dias de hoje, usámos uma ferramenta existente sobre preços no site do INE e que indicou dever-se aplicar um coeficiente de 99,818 sobre o valor de 1952 para se obter um valor atualizado a 2022.

Com base nestes pressupostos procurou-se saber qual o destino das companhias listadas até hoje, através da consulta do Histórico das Empresas de Seguros estabelecidas em Portugal entre 1975 e 2020, editado pela ASF, da História dos Seguros em Portugal, do blog Restos de Coleção e de informações recolhidas por ECOseguros.

Uma primeira conclusão permite confirmar que na indústria seguradora portuguesa nada se perde, tudo se transforma. Não há histórico de lesados das seguradoras. Operadores e supervisor sempre resolvem os problemas antes de estes se tornarem difíceis de resolver. Logo, as 30 maiores de 1952 estão representadas em seguradoras atuais.

A pesquisa e cálculos realizados indicam que o PIB de Portugal continental em 1952 teve um valor de 46, 4 milhões de contos. Atualizado à data de hoje seriam 23 mil milhões de euros. Quase 70 anos depois o PIB de 2020 foi de 200 mil milhões de euros, 8 vezes mais. Já a produção de seguros das 30 maiores em 1952 foi de 934 mil contos. A preços de hoje seriam 464 milhões de euros, enquanto em 2021 a produção em Portugal atingiu 13,1 mil milhões de euros, um valor 28 vezes superior. Enquanto há 70 anos a produção seguradora significava 2% do PIB, hoje ronda os 5% e ainda tem terreno para crescer.

Fidelidade de há 70 anos teria 53% do mercado

A Fidelidade, líder do mercado em 2020 com 28%, era a quarta maior seguradora. Hoje integra diversas empresas do ranking de 1952 como A Mundial, Império, Comércio e Indústria, Ultramarina, Bonança, Soberana, Pátria, Alentejo, Confiança e Sagres. Todas juntas dariam à Fidelidade mais de metade do mercado. Só a Mundial, líder em 1952, detinha 13%. Esta seguradora foi fundada em 1913, na sequência da lei que pela primeira vez regulou a responsabilidade por acidentes de trabalho em Portugal e especializou-se no ramo. Foi promovida pela família Abecassis que tinha diversos interesses industriais como a Lusalite e Cel-Cat e vendida a Champalimaud, que já detinha a Confiança, em 1968. A Império era a 3ª maior, nascida para gerir os riscos complexos do grupo CUF, foi pioneira no lançamento de seguros populares de Vida e no final dos anos sessenta do século passado ultrapassava 1 milhão de contos em prémios.

A Tranquilidade, integrada no Grupo Generali em 2020, tem uma história longa ligada à família e ao Grupo Espírito Santo. Era a 2ª maior em 1952 com 11,9% de quota de mercado. A hoje Generali Seguros herdou negócios de 1952 através da O Trabalho, Nacional e Açoreana, marca ainda hoje utilizada a par com Tranquilidade.

O Grupo Ageas Portugal teria hoje 12% do mercado, e não 15,4% como tem, adicionando as companhias que, entre outras, lhe deram origem como a Tagus, Garantia ou Douro. A alemã Allianz já tinha uma presença forte no mercado nacional através da SPS e da Portugal Previdente entre outras.

De um modo menos agregador, por não terem passado pelas nacionalizações de 1975, já que eram propriedade de capital estrangeiro, estão hoje a Liberty que ficou com a Europeia, a Phoenix que muitas voltas depois está na Lusitania, a Nationale Vie que hoje se pode dizer que integra a UNA, a España está como estava e a Victoria que, depois de mexidas na casa mãe, continua muito ativa em Portugal.

O ranking das 30 maiores com valores de 1952 em escudos e atualizados a 2022 em euros, bem como a seguradora que hoje representa ou de alguma forma absorveu as seguradoras da época pode ser visto aqui:

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Quais as maiores seguradoras em 1952 e onde estão hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião