Metro de Lisboa tem 12% de maquinistas de baixa ou em isolamento

  • Lusa
  • 28 Janeiro 2022

O Metro "não consegue evitar que exista supressão de alguns comboios, situação que causa alguns atrasos no serviço de exploração e tempos de espera maiores do que o habitual”.

O Metropolitano de Lisboa tem cerca de 12% dos maquinistas de baixa ou em isolamento devido à covid-19, admitindo a empresa que, apesar de não se verificarem “constrangimentos de maior”, é impossível evitar a supressão de alguns comboios.

“À data de 27 de janeiro, o Metropolitano de Lisboa apresentava um total de 54 trabalhadores em isolamento/positivos [sem contabilizar trabalhadores que estejam em situação de teletrabalho]. Neste grupo incluem-se trabalhadores das áreas da manutenção, operações, comercial e técnica, áreas cujas funções não são compatíveis com a possibilidade de teletrabalho. No caso específico dos maquinistas, existem cerca de 12% do total de maquinistas em situações de baixa ou em isolamento”, refere o Metropolitano de Lisboa, numa resposta escrita enviada à Lusa.

Segundo a empresa, embora esta situação provoque “constrangimentos ao nível da normal oferta de serviço”, “não se verificam constrangimentos de maior” já que se tem tentado “diluir os efeitos” por toda a rede, tendo em especial atenção as horas de ponta.

“Contudo, [a empresa] não consegue evitar que exista supressão de alguns comboios, situação que causa alguns atrasos no serviço de exploração e tempos de espera maiores do que o habitual”, admite o Metropolitano de Lisboa.

A empresa explica ainda que, face às especificidades das funções, no caso dos trabalhadores das áreas da manutenção, operações e técnica “nem sempre é possível” recorrer à sua “substituição temporária”.

O Metropolitano de Lisboa adianta também que tem gerido as ausências com “recurso às reservas existentes, à adaptação de escalas, ao trabalho suplementar e ao aumento do recurso aos vigilantes nas estações”. “Neste sentido, foram criados cenários de oferta de serviço de acordo com a perspetiva de evolução pandémica que poderão ser acionados a qualquer momento”, lê-se ainda na nota da empresa.

A covid-19 provocou mais de 5,63 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse. Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.788 pessoas e foram contabilizados 2.507.357 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China. A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Metro de Lisboa tem 12% de maquinistas de baixa ou em isolamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião