Soros diz que Ómicron e crise imobiliária na China ameaçam poder de Xi Jinping

  • Lusa
  • 2 Fevereiro 2022

O bilionário George Soros diz que a variante Ómicron do coronavírus e a crise imobiliária na China ameaçam derrubar poder de Xi Jinping.

Uma crise económica impulsionada pelo setor imobiliário e a disseminação da altamente contagiante variante Ómicron do novo coronavírus representam riscos para a manutenção do Presidente chinês, Xi Jinping, no poder, afirmou recentemente o bilionário George Soros.

Numa intervenção por videoconferência, num painel da unidade de investigação conservadora norte-americana Hoover Institution, Soros argumentou que a variante Ómicron “ameaça provocar a ruína de Xi Jinping”, já que o vírus “já não está sob controlo” na China.

“As vacinas chinesas foram projetadas para lidar com a variante [original] de Wuhan, mas o mundo está agora a combater outras variantes”, disse Soros. “Xi Jinping não pode admitir isso enquanto espera ser nomeado para um terceiro mandato – ele está a esconder isso do povo chinês”, frisou Soros.

O Partido Comunista Chinês (PCC) vai decidir no seu próximo Congresso, que se realiza na segunda metade deste ano, se atribui a Xi um terceiro mandato como secretário-geral do Partido. A decisão quebra décadas de tradição política na China. Os antecessores de Xi cumpriram dois mandatos, visando promover a rotatividade no poder e a noção de “liderança coletiva”.

Soros argumentou que as tentativas de Xi de impor “controlo total” sobre o país por meio de uma série de bloqueios e outras medidas restritivas podem comprometer as suas possibilidades de ser reintegrado como líder do partido, já que a estratégia “é improvável que funcione contra uma variante tão infecciosa como a Ómicron”.

O investidor e filantropo garantiu que, apesar da autoridade de Xi, ele tem “muitos inimigos”. “Embora ninguém se possa opor a Xi publicamente, há uma luta interna no PCC, que é tão acirrada que encontrou expressão em várias publicações do Partido”, disse. “Xi está sob ataque daqueles que são inspirados pelas ideias do [ex-líder] Deng Xiaoping e querem ver um papel maior da iniciativa privada”, argumentou.

Soros disse também que a China enfrenta uma crise económica centrada no mercado imobiliário – um importante motor de crescimento do país.

“O modelo em que se baseia o boom do imobiliário é insustentável”, explicou.

“As pessoas que compram apartamentos têm que começar a pagar pelos imóveis antes mesmo de serem construídos, então o sistema é centrado no crédito. Os governos locais obtêm a maior parte das suas receitas com a venda de terrenos a preços cada vez maiores”, frisou.

O setor imobiliário da China está sob pressão, à medida que as autoridades tentam reduzir os níveis de alavancagem e aumentar os ratios de liquidez. Várias empresas do setor entraram em incumprimento, incluindo a gigante imobiliária Evergrande.

“Resta ver como as autoridades vão lidar com a crise [do setor imobiliário]”, disse Soros. “A situação atual não parece promissora para Xi”, acrescentou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Soros diz que Ómicron e crise imobiliária na China ameaçam poder de Xi Jinping

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião