Rússia planeia “a maior guerra na Europa desde 1945”, diz Boris Johnson

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2022

O primeiro-ministro britânico adiantou ainda que as informações dos serviços secretos indicam que a Rússia planeia uma invasão que irá cercar a capital ucraniana.

Informações dos serviços secretos indicam que a Rússia está a planear “a maior guerra na Europa desde 1945”, um plano que “já começou em alguns sentidos”, afirma o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Temo dizer que o plano que estamos a ver é algo que poderia realmente ser a maior guerra na Europa desde 1945 em termos de escala. (…) Todos os sinais apontam que o plano já começou em alguns sentidos”, disse Johnson, em entrevista à BBC desde Munique, onde está a participar numa conferência anual sobre segurança.

Segundo o primeiro-ministro, as informações dos serviços secretos indicam que a Rússia planeia uma invasão que irá cercar a capital ucraniana, Kiev. “As pessoas têm de entender o enorme custo para a vida humana que isto pode acarretar”, alertou Johnson, citado na página eletrónica da BBC.

O chefe do Governo britânico voltou a insistir nas sanções a que a Rússia se sujeita se invadir a Ucrânia, indo mais longe do que tinha ido antes. O Reino Unido e os Estados Unidos da América, disse, poderão impedir as empresas russas de “negociar em libras e dólares”, medida que teria um impacto “muito forte”.

O Ocidente e a Rússia vivem atualmente um momento de forte tensão, com o regime de Moscovo a ser acusado de concentrar soldados nas fronteiras da Ucrânia, numa aparente preparação para uma potencial invasão do país vizinho.

Segundo a BBC, as mais recentes estimativas do Governo norte-americano indicam que entre 169 mil e 190 mil tropas estão estacionadas ao longo da fronteira da Ucrânia, tanto na Rússia como na Bielorrússia, incluindo os rebeldes pró-russos no leste da Ucrânia. Moscovo desmente qualquer intenção bélica e diz que as tropas estão a fazer exercícios militares na região.

Questionado sobre se a invasão está iminente, como têm alertado as autoridades norte-americanas, Johnson disse à BBC: “Temo que seja para isso que as evidências apontam. Não há como suavizá-lo”.

O primeiro-ministro diz que o Presidente norte-americano, Joe Biden, disse aos líderes ocidentais que as informações dos serviços secretos indicam que as forças russas não estão apenas a planear entrar na Ucrânia pelo Leste, via Donbass, mas também pela Bielorrússia, na zona que rodeia Kiev.

Ao intervir no sábado na Conferência de Segurança de Munique, Johnson alertou que o mundo está perante “um momento muito perigoso para a história” e apelou à união e à solidariedade com a Ucrânia.

Apelando para que não se subestime “a gravidade do momento”, Johnson alertou para o risco de “as pessoas chegarem à conclusão de que agredir compensa”. “Se a Ucrânia acabar invadida, o impacto ressoará em todo o mundo”, alertou, garantindo que o Reino Unido ajudará a proteger a soberania ucraniana.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Rússia planeia “a maior guerra na Europa desde 1945”, diz Boris Johnson

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião