Porque são remotas as hipóteses de uma adesão rápida da Ucrânia à UEpremium

O Presidente ucraniano pediu uma espécie de via verde para o país aderir à União Europeia. Os 27 não rejeitam a entrada no bloco, mas não há unanimidade sobre uma adesão rápida.

Enquanto arrancava a primeira ronda negocial entre a Rússia e a Ucrânia para um cessar-fogo, Volodymyr Zelensky assinava a carta com o pedido oficial para a adesão à União Europeia. As imagens do Presidente, ladeado pelo primeiro-ministro e o líder do Parlamento, foram divulgadas pelo mundo inteiro, mas o momento é essencialmente simbólico, tal a distância que ainda parece existir entre o desejo e a sua concretização.A Ucrânia tem já uma relação estreita com a União Europeia (UE). Em maio de 2014, após a anexação da Crimeia pela Rússia, o país assinou um contrato de associação com o bloco, com o objetivo de fomentar "relações políticas mais estreitas, laços económicos mais fortes e o respeito pelos valores comuns". Uma espécie de antecâmara de uma futura adesão. Mas até esse processo

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos