Avaliação bancária sobe para novo máximo de 1.314 euros por metro quadrado

Valor mediano a que a banca está a avaliar os imóveis para efeitos de concessão de crédito subiu pelo sexto mês consecutivo, atingindo um novo máximo histórico.

O valor a que os bancos avaliam os imóveis para efeitos de concessão de crédito à habitação voltou a subir em fevereiro, pelo sexto mês consecutivo. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicados esta sexta-feira, este indicador está nos 1.314 euros por metro quadrado. É o valor mais alto de sempre e corresponde a uma subida de 22 euros face a janeiro.

Entre janeiro e fevereiro, o valor mediano subiu 1,7%, com o maior aumento a registar-se no Alentejo (2,6%) e a única descida na Madeira (-0,2%). Se a comparação for feita com fevereiro de 2021, o valor médio das avaliações cresceu 11,9%, sendo que a variação mais intensa acontece no Algarve (19%) e a menor no Alentejo (7,9%).

Valor Mediano de Avaliação Bancária de Habitação até fevereiro (euros/m2).

No mês em análise, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1.462 euros por metro quadrado, uma subida de 13,2% face ao período homólogo. Comparativamente a janeiro, o valor de avaliação dos apartamentos subiu 1,7%, tendo o Norte e a Área Metropolitana de Lisboa apresentado a maior subida (ambos com 2,1%) e os Açores a única descida (-1,7%), destaca o INE.

Em particular, o valor mediano da avaliação para apartamentos T2 subiu 32 euros para 1.492 euros por metro quadrado, tendo os T3 subido 24 euros para 1.299 euros por metro quadrado. No seu conjunto, estas tipologias representaram 80,3% das avaliações de apartamentos.

Já no que diz respeito a moradias, o valor mediano da avaliação bancária foi de 1.407 euros por metro quadrado, o que representa um acréscimo de 7,4% em relação a fevereiro de 2021. Face a janeiro, o valor de avaliação das moradias aumentou 1%. O Alentejo registou o aumento mais acentuado (4,5%) e a Madeira foi a única região a apresentar uma descida (-1,6%).

Comparando com janeiro, os valores das moradias T2, T3 e T4 — tipologias responsáveis por 89,2% das avaliações — atingiram os 1.001 euros por metro quadrado (mais 20 euros), 1.026 euros por metro quadrado (mais quatro euros) e 1.099 euros por metro quadrado (mais dois euros), respetivamente.

Só as Beiras estão abaixo da mediana nacional

O INE destaca que o Algarve e a Área Metropolitana de Lisboa apresentaram valores de avaliação superiores à mediana do país (38% e 34%, respetivamente). Beiras e Serra da Estrela foi a região que apresentou o valor mais baixo em relação à mediana do país (-48%).

Em fevereiro foram realizadas 28.681 avaliações bancárias — 18.457 apartamentos e 10.224 moradias –, o que representa uma subida de 24,2% face ao mesmo período do ano passado. Em comparação com janeiro, foram feitas menos 1.087 avaliações, o equivalente a uma descida de 3,7%.

Em janeiro, a avaliação bancária também tinha subido, fixando-se nos 1.292 euros por metro quadrado. A última vez que este indicador não subiu foi em setembro de 2020, tendo o valor ficado semelhante a agosto de 2020.

(Notícia atualizada às 12h08 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Avaliação bancária sobe para novo máximo de 1.314 euros por metro quadrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião