França tem reservas de gás em “bom nível” mas regulador apela à poupança

  • Lusa
  • 31 Março 2022

"Existe o risco de que a procura de consumo no próximo inverno seja superior à nossa capacidade para atender a essa procura", alertou o responsável da Comissão Reguladora de Energia.

O regulador de energia francês pediu “alguns esforços” para que os consumidores economizem energia, apesar das reservas de gás estarem “em bom nível” no país que durante o pico do inverno tem de importar eletricidade.

O responsável da Comissão Reguladora de Energia assegurou que as instalações de armazenamento de gás em França estão num bom nível, mas apelou para a necessidade de economizar energia face à invasão russa da Ucrânia e à vontade dos países membros da União Europeia (UE) em diminuir a dependência energética com a Rússia.

“Se não fizermos isso, existe o risco de que a procura de consumo no próximo inverno seja superior à nossa capacidade para atender a essa procura“, destacou Jean-François Carenco à emissora de notícias BFM.

A França obtém cerca de 70% da sua eletricidade através de centrais nucleares, mas durante o pico de procura do inverno, o país importa eletricidade, parte da qual é produzida através de centrais a gás. Já a Itália, país fortemente dependente da Rússia para o fornecimento de gás natural, emitiu logo após os primeiros dias de guerra na Ucrânia um pré-alerta sobre os riscos para problemas no fornecimento.

No entanto, o ministro da Transição Energética, Roberto Cingolani, explicou que o alerta visa informar os consumidores sobre as “incertezas ligadas ao conflito”. O governante indicou que a oferta continua adequada para cobrir a procura e não pediu à população para poupar.

Berlim declarou esta quarta-feira a fase de alerta precoce do plano de emergência de gás como uma medida preventiva, apelou para que as empresas e famílias reduzam o consumo de energia, assegurando ao mesmo tempo que o fornecimento está garantido.

Falando à imprensa, o ministro da Economia e do Clima, Robert Habeck, sublinhou que a Alemanha se encontra numa situação em que “cada ‘quilowatt’ hora de energia poupada é uma contribuição” e afirmou que a fase de alerta precoce do plano de emergência de gás foi declarada devido a uma possível escalada e paragem do fornecimento de gás pela Rússia, assegurando ao mesmo tempo que o fornecimento está garantido.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, anunciou um plano para reduzir as importações de energia da Rússia e apelou aos parceiros europeus para que fizessem o mesmo. A principal medida, cancelando as importações de carvão russo, será adotada, segundo o primeiro-ministro polaco, “em abril, o mais tardar em maio”, mesmo que não haja consentimento por parte da União Europeia (UE).

Declarou também que o seu Governo pretende abandonar as importações de petróleo da Rússia “até ao final do ano” e substituí-las por petróleo bruto comprado aos Estados Unidos, Arábia Saudita e Nigéria, entre outros países. Quanto ao gás, Morawiecki assegurou que a Polónia também deixará de receber fornecimentos russos no final de 2022, quando o contrato que Varsóvia tem atualmente com a empresa estatal russa Gazprom expirar e não for renovado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

França tem reservas de gás em “bom nível” mas regulador apela à poupança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião