Startups portuguesas “reservam” tecnologia para hotéis do futuro

AHRESP mostrou alguns dos novos negócios tecnológicos com ADN português e que pretendem facilitar a vida a hóspedes e a gestores hoteleiros.

Cruzar as capacidades da tecnologia com a qualidade dos trabalhadores é a principal chave para que os hotéis conservem clientes e angariem novos consumidores. Portugal quer contribuir para essa dinâmica através de algumas startups que têm dado cartas nos últimos anos.

O ECO foi conhecer alguns destes negócios no evento Hotel 4.0, organizado esta semana na Alfândega do Porto pela associação que representa hotéis, restaurantes, cafés e similares (AHRESP). Novas soluções que tanto beneficiam a experiência dos hóspedes como facilitam a vida aos gestores, ao diminuir o número de tarefas desnecessárias.

Perguntas com resposta automática

“A que horas posso tomar o pequeno-almoço?” Esta é uma das perguntas que os funcionários de um alojamento têm de responder todos os dias. Mas a startup portuguesa HiJiffy está a transformar este processo através de um concierge virtual, para prestar apoio aos hóspedes durante a estadia.

Nós automatizamos as perguntas frequentes dos hóspedes nas quais não é necessário ter um funcionário para responder”, explica Francisco Nogueira, responsável de mercado da empresa. A ferramenta de assistência permite fazer check-in e check-out online, marcar serviços ou realizar avaliações.

Fundada em 2016, a HiJiffy também desenvolveu um assistente de reservas digital, que funciona por e-mail ou então em plataformas e redes sociais como Google, WhatsApp, Instagram e Booking.

Com mais de 1.600 hotéis parceiros – alguns deles dos grupos Vila Galé, Pestana e Dom Pedro – a HiJiffy já obteve cerca de 1,3 milhões de euros de investimento e está a preparar uma nova ronda de levantamento de capital. Conta ainda com funcionários em Espanha, França e Reino Unido.

Equipa da Hijiffy já está espalhada por quatro países.

Poupar água e luz dá recompensa

Nascida em Coimbra em 2021, a Noytrall quer pôr os clientes dos hotéis a gastar menos água e luz. Se a missão for cumprida, há direito a uma recompensa. Os hóspedes terão acesso aos consumos no quarto em tempo real e serão desafiados a poupar recursos.

A ideia da startup vai chegar ao mercado nos próximos meses através de uma aplicação para os sistemas operativos iOS (Apple) e Android (Google). Nessa aplicação, os hóspedes vão aprender dicas sobre como poupar água e luz, reduzindo a pegada ambiental.

Os hotéis, com esta solução, também poderão atrair um outro tipo de clientes, mais preocupados com a sustentabilidade do planeta.

Além das viagens de lazer, a Noytrall também vai promover a competição entre colegas de trabalho em deslocações profissionais.

Noytrall vai lançar aplicação móvel nos próximos meses.

Gerir melhor as equipas

Mais virada para os bastidores dos hotéis, a Hotai criou uma plataforma para que os gestores possam tornar as equipas mais produtivas, com menos custos e, no final, tornar os hóspedes mais satisfeitos.

A marca do grupo tecnológico Algardata permite gerir requisições, encomendas e vendas; facilitar a impressão de comprovativos, através de um tablet ou smartphone; e ainda fornecer dados em tempo real do número de artigos disponíveis.

A marca foi lançada já depois da chegada da pandemia a Portugal “para apoiar os nossos clientes na redução de custos por causa da quebra de receitas gerada pela pandemia”, explicou o gestor comercial da marca, Guilherme Portada.

A Hotai já conta com mais de 50 hotéis parceiros em Portugal e pretende aumentar este número nos próximos meses.

Hóspedes em ordem

Também mais virada para a gestão, mas de hóspedes, está a Roomracoon, empresa nascida nos Países Baixos em 2017 e que conta com um escritório em Portugal, com seis pessoas.

O sistema permite aos hotéis venderem os quartos através de várias plataformas de reserva mas sempre a verificar quais são os preços da concorrência e a ajudar a ajustar as tarifas conforme a procura. A ferramenta também mostra qual o calendário de ocupação de cada quarto no alojamento.

“Para o hóspede, a vantagem tem a ver com a possibilidade de check-in online, e-mails automáticos personalizados e um motor de reserva totalmente personalizado para que os clientes possam ter os alojamentos online e terem reservas diretas”, explica a responsável para o mercado português, Maria Gouveia.

Presente em 15 países a nível mundial a Roomracoon tem em Portugal o seu quarto maior mercado.

Roomracoon conta com escritório em Portugal desde 2017.

As ideias dos universitários

O evento da AHRESP também foi uma oportunidade para os estudantes universitários apresentarem ideias. A vitória foi para os alunos do curso de licenciatura em Turismo do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, que apresentaram a Hospitality Box.

A solução consiste na projeção de um holograma personalizado a partir de um dispositivo e que serve de concierge virtual. Apoiar os hóspedes durante a estadia, com o fornecimento de informações sobre o hotel, é o principal objetivo.

A ideia foi desenvolvida por Sara Marcôa, Marcos Gonçalves, Jéssica Fernandes, Daniel Duarte e Adriana Alves. Os cinco alunos destacaram-se das propostas apresentadas por 11 instituições de ensino superior.

Equipa da Holospitality Box é constituída por alunos do Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Startups portuguesas “reservam” tecnologia para hotéis do futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião