Empresas de videojogos criam mil empregos “a sério” em Portugalpremium

Estúdios internacionais apostam cada vez no desenvolvimento de jogos a partir de Portugal. Qualidade do talento e condições de vida ajudam a captar empresas e trabalhadores.

Há cada vez mais pegada portuguesa na área dos videojogos. São, pelo menos, mil as pessoas no país a trabalharem para estúdios nacionais e internacionais, segundo os dados recolhidos pelo ECO. A qualidade do talento, as condições de vida e a aposta na diversidade de talentosão fatores que explicam o cada vez maior ADN português nos jogos virtuais. O mercado está em crescimento e devem ser abertas mais de uma centena de novas vagas até ao final de 2023. "Ao contrário de outros países, ainda é possível encontrar talento com alguma facilidade e tem sido possível atrair para os videojogos profissionais que têm carreiras em indústrias como a publicidade, espetáculos e na programação de aplicações e de softwarede gestão", destaca o líder dos estúdios Lockwood em Portugal, Ricardo Flores. À

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos