Mudum quer mais Novo Banco e digital enquanto olha para aquisições

A seguradora portuguesa da Crédit Agricole Assurances reforça equipa para vender mais aos clientes do Novo Banco. E, para crescer depressa, procura oportunidades para comprar companhias portuguesas.

A Mudum, seguradora Não Vida do Crédit Agricole Assurances (CAA) em Portugal, vai este ano reforçar a sua oferta de produtos aos clientes do Novo Banco, desenvolvendo o canal bancassurance que tem contratualizado com a instituição financeira até 2042, afirma Afonso Themudo Barata, diretor geral adjunto para as áreas comercial e marketing da seguradora.

Afonso Themudo Barata, responsável pelas áreas comercial e marketing da Mudum, na nova e contemporânea sede em Lisboa: “uma satisfação dos clientes com o nosso trabalho, não só é bom para nós como é fundamental para o nosso parceiro, o banco”.

A companhia, que durante o ano passado alterou a marca de GNB Seguros para Mudum após o CAA tomar 100% do seu capital, vai ainda promover canais digitais e não põe de parte a hipótese de crescimento inorgânico estando atenta a potenciais aquisições de seguradoras no mercado nacional.

Liderada pelo CEO e diretor geral François Baudienville com Themudo Barata e Paulo Nogueira como adjuntos, a Mudum foi a 13ª maior seguradora Não Vida em Portugal no ano passado com produção de quase 80 milhões de euros e 7 milhões de resultados líquidos, apresentando um rentável rácio combinado de 83,9%, melhor que em 2020, apesar de ter aumentado o seu quadro de pessoal de 55 para os atuais 76 colaboradores.

A Mudum vende produtos numa “espécie de marca branca, queremos valorizar a marca dos nossos parceiros”, refere Themudo Barata. Essencialmente são seguros multirriscos, saúde, automóvel e acidentes pessoais, distribuídos através de parcerias com instituições financeiras. O Novo Banco, e a sua vasta base de clientes particulares, micro empresas e PME, é o canal principal e onde a seguradora quer este ano “equipar melhor os clientes em proteção”. Aos clientes do Banco Best disponibiliza seguros multirriscos habitação e ao Credibom, financeira de crédito ao consumo do grupo Crédit Agricole, a Mudum funciona com a CACI, outra companhia do grupo CA, que aqui funciona quase como uma resseguradora. Tem ainda com a Costa Duarte, corretor de referência no mercado português, uma iniciativa assente num modelo de B2B2C (business-to-business-to-consumer).

O canal digital para venda direta é outra área a desenvolver em 2022 – adianta Themudo Barata – reafirmando não estar de parte a possibilidade de crescimento inorgânico através de aquisições de seguradoras no mercado português. A busca por escala segue a dimensão casa mãe CAA, grupo segurador líder em França e percussor e da bancassurance na Europa, com presença em 8 países, contando com 5.100 colaboradores e emitindo anualmente 37 mil milhões de euros de prémios, o triplo de todo o mercado nacional.

Aspetos inovadores estão a ser procurados, afirma Themudo Barata que salienta que os princípios solidários do mutualismo, génese do grupo Crédit Agricole, têm de estar presentes em toda a atividade e também na oferta de produtos e serviços praticado por todo o grupo. Afonso Themudo Barata salienta produtos para particulares de proteção ao pagamento de prestação de crédito, baixas médicas, incapacidade ou para desemprego de longa duração, com indemnizações a começar quando termina o subsídio de desemprego, reduzindo o risco para a companhia e o custo para o segurado. No lado mecenático apoia há já muitos anos a APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil.

Afonso Themudo Barata expressa uma enorme atenção à gestão de sinistros que é realizada internamente. “O gestor de sinistros é sempre a mesma pessoa, do princípio ao fim do processo”, afirma o gestor, “uma satisfação dos clientes com o nosso trabalho, não só é bom para nós como é fundamental para o nosso parceiro, o banco”, conclui.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Mudum quer mais Novo Banco e digital enquanto olha para aquisições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião