Adiar a reforma pode antecipar a morte

  • ECO Seguros
  • 3 Julho 2022

Um estudo que relaciona o aumento da idade de reforma e os seus efeitos sobre a saúde mostra que adiar o acesso a uma pensão traz o risco, acentuado em algumas profissões, de morrer mais cedo.

O adiamento da idade da reforma pode, em contrapartida, antecipar a morte, conclui um estudo da fundação espanhola sobre economia aplicada (Fedea), no momento em que muitos responsáveis políticos procuram assegurar a sustentabilidade do sistema público de pensões e fazer face ao envelhecimento da população desincentivando e restringindo as reformas antecipadas e prolongado a idade a partir da qual se tem acesso a uma pensão.

Os resultados do estudo mostram que retardar a saída do mercado de trabalho por um ano aumenta significativamente o risco de morrer entre os 60 e 69 anos de idade. O risco concentra-se especialmente nas profissões mais exigentes fisicamente e sujeitas a um maior nível de stress emocional e mental, sendo muito menor para os indivíduos que têm acesso a mecanismos de reforma parcial que lhes permitem reduzir o seu horário de trabalho a partir de determinada idade.

O trabalho, de autoria de S. Jiménez (UPF e Fedea), C. Belles e Han Ye (ambos da Universidade de Mannheim), salienta que “numa altura em que o prolongamento da vida ativa pode ser um instrumento essencial para garantir a sustentabilidade dos regimes de pensões, os resultados do estudo apontam para a necessidade de desenhar criteriosamente os detalhes das políticas de reforma, tendo em conta os seus possíveis efeitos na saúde dos trabalhadores”.

Impacto negativo

Assim, de acordo com o estudo, as reformas como o aumento da idade da reforma podem ter um impacto negativo na saúde da população, e que estes efeitos sobre a saúde devem ser levados em conta na avaliação global dos efeitos de tais políticas.

“Além disso, mostramos que os efeitos adversos sobre a saúde podem ser mitigados, permitindo a reforma antecipada a quem exerça determinadas profissões (com implicam atividades extenuantes, física ou mentalmente) e introduzindo a possibilidade de reduzir o tempo de trabalho para os trabalhadores mais velhos em fim de carreira”, sublinham os seus autores.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Adiar a reforma pode antecipar a morte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião