Montenegro atira referendo sobre regionalização para depois de 2026, pelo menos

Novo líder do PSD diz que partido está "focado nos problemas dos portugueses" e considera que processo de descentralização "tem sido turbulento".

Para Luís Montenegro, pelo menos até 2026 não deve avançar o referendo sobre a regionalização. O novo líder do PSD foi recebido pelo Presidente da República nesta terça-feira e reforçou os argumentos contra a consulta popular.

“Sou completamente contra a realização de um referendo em 2024”, manifestou Luís Montenegro à saída da audiência, em declarações citadas pela RTP3. O novo líder dos sociais-democratas justificou a posição com vários atos eleitorais previstos entre 2024 e 2026.

Em 2024, realizam-se as eleições europeias e as regionais dos Açores; para 2025 estão programadas eleições autárquicas; para 2026 estão previstas eleições eleições presidenciais e legislativas. “Não haverá oportunidade para referendo até 2026″, rematou.

As consequências da subida da taxa de inflação e dos efeitos da invasão da Ucrânia pela Rússia são os outros dois motivos apresentados por Luís Montenegro para afastar a consulta popular nos próximos anos.

Luís Montenegro acusou ainda o Governo de conduzir um processo de descentralização “turbulento e que não tem tido resultados efetivos”. Para o político, “um Governo que em três anos não foi capaz sequer de tratar das competências essenciais, numa matéria sem grandes divergências parlamentares e em acordo com o PSD, não se pode abalançar de colocar ao país essa questão”.

O novo líder do PSD acusou ainda o Governo de “desinvestimento nos últimos anos” no aeroporto de Lisboa, o que justifica os sucessivos cancelamentos de voos desde sexta-feira.

Na audiência com o Presidente da República ficou afastado o tema da moção de censura ao Governo pelo partido Chega, na qual o PSD irá abster-se.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Montenegro atira referendo sobre regionalização para depois de 2026, pelo menos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião