BRANDS' ECOSEGUROS Uma abordagem tecnológica à IFRS 17

  • ECOSeguros + Cleva Inetum
  • 25 Julho 2022

A Cleva Inetum já está a ajudar as companhias de seguro a prepararem uma contabilidade organizada homóloga que respeite a norma internacional de reporte financeiro IFRS 17. Saiba como.

O mercado segurador tem sido desafiado já desde 2019 para a implementação da norma internacional de reporte financeiro IFRS 17, que traz consigo novos princípios e regras contabilísticas aplicáveis aos contratos de seguro e de resseguro. As companhias de seguros começaram a olhar para esta temática, identificando os desenvolvimentos necessários para a implementação desta norma nos seus sistemas atuariais e contabilísticos, por forma a conseguirem estar preparados em 2022 para terem uma contabilidade organizada homóloga que respeite esta norma.

Em relação ao desafio atuarial, surge nas companhias a necessidade de implementar um sistema que trate a modelação e o cálculo dos conceitos que a norma estabelece, tais como níveis de agregação de contratos, modelos de mensuração, fluxos de caixa futuros, ajustes aos riscos financeiros, onerosidade de contratos, entre outros. Os módulos Vida e Não vida da Cleva Inetum são “fornecedores” primordiais de dados para esses sistemas. Opcionalmente, é também disponibilizado o Cleva Analytics para agilizar a leitura e a integração desses dados no software de modelação e cálculo.

A Cleva Inetum disponibilizou uma metodologia que permite implementar, já em 2022, uma visão homóloga da contabilidade atual da companhia de acordo com a norma IFRS 17.

É na implementação das alterações contabilísticas – que as companhias de seguros têm de assegurar em 2022 – que a Cleva Inetum tem estado mais presente, respondendo afirmativamente ao desafio. No âmbito das alterações previstas pelo 3.º draft da norma publicado pela ASF em maio de 2021, a Cleva Inetum disponibilizou uma metodologia que permite implementar, já em 2022, uma visão homóloga da contabilidade atual da companhia de acordo com a norma IFRS 17. Para além de todas as especificidades técnicas inerentes ao projeto, esta metodologia tem ainda em conta questões temporais, com vista a garantir a implementação no menor espaço de tempo possível e assim dar resposta a todos os clientes Cleva.

A abordagem é pragmática, consistindo na disponibilização de uma segunda instância do Cleva Accounting, que recebe movimentos de três origens:

  • Core Cleva Vida ou Cleva Não vida, para a contabilização dos documentos técnicos de seguros, aplicando as novas regras contabilísticas aos mesmos, de acordo com a alteração do plano de contas;
  • Módulo de contabilidade Cleva Accounting atual, sincronizando os restantes movimentos que não têm origem em documentos de seguros através de mapeamento de contas;
  • Movimentos contabilísticos resultantes dos cálculos efetuados pelas soluções de modelação adotadas pelas companhias para tratar a componente atuarial da norma IFRS 17.

Naturalmente, cada companhia tem as suas especificidades, o que obriga a ajustes na abordagem. Esta encontra-se alinhada com todas as companhias que têm o Cleva Accounting, tendo sido já aplicada com sucesso em 40% das mesmas e estando as demais em curso e/ou em planeamento para execução até ao final do ano.

E… não ficaremos por aqui. Estamos a preparar a estratégia para o ano de 2023, sendo o desafio dotar novamente as companhias de um único sistema contabilístico de acordo com a norma IFRS 17.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Uma abordagem tecnológica à IFRS 17

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião