As cabines amarelas que vendem protetores solares

Formado em turismo e eventos, Luís Teles criou a Sun Care Box, uma máquina de venda automática de protetores solares. E quer alargar o negócio a mais pontos do país e até do estrangeiro.

Uma máquina de venda automática não de bebidas ou snacks, mas sim, de protetor solar e que lembra as cabines telefónicas britânicas só que de cor amarela. A ideia existe e foi concretizada por Luís Teles, de Aveiro, depois de ter apanhado “um escaldão” durante umas férias em que se esqueceu do protetor entre a azáfama de casa para o aeroporto. “Depois não encontrava produtos credíveis e a preços justos”, conta. A cabine amarela já está instalada em várias unidades hoteleiras do país e até acolheu os aplausos do programa nacional de aceleração Push4Tourism, da GesEntrepreneur com o apoio do Turismo de Portugal.

“Já fiz viagens em que me esqueci de comprar protetor e depois, com a ânsia de saborear o melhor possível as férias, fui direto do aeroporto para o hotel e não vi nenhum local onde pudesse comprar uma marca credível e a um preço justo. Acabei com um escaldão enorme que é um risco tremendo em termos oncológicos”, recorda Luís Teles, com formação académica em turismo e eventos.

Foi esse o pontapé de saída para a ideia da criação de máquinas de venda de protetores solares que ganha cada vez mais adeptos. “Ao longo dos anos, fui detetando uma crescente dificuldade por parte dos turistas em localizar protetores de marcas credíveis nos seus hotéis e nas praias mais frequentadas. O que os obrigava a percorrerem distâncias pouco compatíveis com estadias curtas ou a negligenciar cuidados de saúde essenciais”, sublinha o mentor da Sun Care Box.

Corria o ano de 2021 quando se fez luz. Da ideia à concretização do negócio não demorou muito. Luís Teles batizou a máquina de Sun Care Box e logo conseguiu conquistar a atenção da multinacional Beiersdorf, detentora da marca Nívea, que se associou ao projeto. Gonçalo Sousa Tavares, Country Commercial Manager da marca em Portugal, considerou que “a Sun Care Box é uma ideia inovadora pela simplicidade, mas também corajosa pela abordagem diferente a um produto tradicional”. Para Gonçalo Sousa Tavares, trata-se de uma excelente e decisiva estratégia para incentivar comportamentos mais responsáveis nos consumidores frequentadores de zonas balneares e outros locais sujeitos a exposição solar. “Mas sem os preços estarem inflacionados“, acrescenta o mentor do projeto.

Luís Teles ainda teria de estudar a melhor forma de conservar o produto nas máquinas de venda automática, desde a refrigeração interna para garantir a qualidade do produto, até ter capacidade para disponibilizar 250 artigos de várias referências em cada equipamento e funcionar apenas com cartão bancário para uma maior segurança. “As máquinas também estão equipadas com um sistema de telemetria, o que permite que seja possível geri-las à distância, poupando recursos em deslocações, tempo e pessoal”, descreve Luís Teles.

Destaque ainda para o consumo energético de olhos postos na sustentabilidade económica e ambiental. Foi este último critério que convenceu o júri do programa de aceleração Push4Touris que se destina a startups na área do turismo, tecnológicas e não tecnológicas, para acelerarem os seus negócios e se posicionarem no mercado.

Além da aposta na componente sustentável, Luís Teles lançou ainda uma última cartada, no que toca à inovação, impacto e potencial de escala, que atraiu a atenção do coordenador nacional do Push4Tourism, Sérgio Póvoas. “A Sun Care Box procura responder a uma necessidade clara do mercado, tendo características que a tornam facilmente escalável”, nota Sérgio Póvoas, destacando “o perfil do empreendedor e a capacidade demonstrada até ao momento”. O coordenador nacional do Push4Tourism acredita, por isso, “que este projeto tem tudo para beneficiar dos conteúdos e do networking do programa, com a mais-valia em termos de entrada no mercado”.

A Sun Care Box estreou-se na unidade de 4 estrelas que a cadeia Be Live Hotels gere em Armação de Pera, no Algarve, com produtos da marca Nívea, e onde a máquina acabou por ficar. Acabou logo por ter impacto nos hóspedes. “Veio revolucionar o bem-estar dos nossos clientes. As famílias sentem-se mais seguras e protegidas ao adquirir produtos solares na comodidade das nossas instalações, além de adorarem o conceito da cabine telefónica”, afirma João Henrique, chefe de receção do Be Live Palmeiras.

Entretanto, o projeto foi ganhando mais adeptos e a máquina de venda de produtos de proteção solar já está disponível na unidade de Évora da cadeia hoteleira Vila Galé e no parque temático algarvio Sand City. João Correia, diretor de marketing do Sand City, viu potencial nas máquinas automáticas patenteadas por Luís Teles. “Quando nos foi apresentado o projeto, ficámos curiosos e, após um breve introdução, percebemos o seu potencial”, justifica João Correia.

O mentor do projeto pretende alargar a instalação destas máquinas a mais pontos de venda em Portugal e no estrangeiro, nomeadamente com recurso ao modelo de negócios franchising. É nesse sentido que está a negociar com distribuidores espanhóis de hotelaria em zonas balneares. Depois do ramo da hotelaria, Luís Teles quer conquistar outros públicos e setores, como condomínios privados, parques temáticos, bares de praia e até mesmo festivais de verão.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

As cabines amarelas que vendem protetores solares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião