Marcelo sublinha importância dos testemunhos sobre casos de assédio na Igreja Católica

  • Lusa
  • 5 Agosto 2022

“Ficou claro a importância do testemunho”, disse o Presidente depois de uma audiência a membros da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica Portuguesa.

O Presidente da República reforçou esta sexta-feira o apelo para que as vítimas de abuso na Igreja Católica apresentem o seu testemunho e saudou o trabalho da Comissão Independente que diz ter desbloqueado um “tabu”. Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas no final de uma audiência no Palácio de Belém a membros da Comissão Independente (CI) para o Estudo dos Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica Portuguesa.

No final do encontro, que se prolongou durante pouco mais de uma hora e meia, o chefe de Estado saudou o trabalho da Comissão e voltou a apelar ao testemunho. “Ficou claro a importância do testemunho”, sublinhou o Presidente da República, afirmando que, além da Justiça, as vitimas que quiserem manter o anonimato têm agora a Comissão Independente a quem podem recorrer. “E esse testemunho anónimo tem um valor fundamental como exemplo daquilo que deve ser o comportamento dos portugueses”, acrescentou, defendendo que “os portugueses devem colaborar nesta procura de justiça”.

Na audiência estiveram presentes o presidente da Comissão, o pedopsiquiatra Pedro Strecht, e outros dois membros: a socióloga Ana Nunes de Almeida e a assistente social e terapeuta familiar Filipa Tavares. A audiência decorreu no mesmo dia em que o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, foi recebido pelo Papa Francisco a propósito dos acontecimentos das últimas semanas, relacionados com suspeitas de abusos de menores na igreja em Portugal, revelou o Patriarcado.

Presidente diz que instituições, como Igreja, devem ser transparentes: “Se não o fizerem, vão apodrecendo”

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu ainda a importância de instituições como a Igreja Católica serem transparentes, para se anteciparem à evolução da sociedade, e considerou que “se não o fizerem, vão apodrecendo”. “A evolução no sentido de mais justiça e proteção dos direitos das pessoas é imparável”, argumentou o Presidente da República, para acrescentar que, no seu entender, “é um erro não perceber” a necessidade de as instituições se anteciparem e serem transparentes.

Questionado sobre os casos recentemente noticiados de alegada ocultação de situações de assédio por parte de altos responsáveis da Igreja Católica, incluindo o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, Marcelo Rebelo de Sousa fez esse apelo à transparência. Reforçando que “há realidades que são imparáveis”, o chefe de Estado disse ainda que “se não o fizerem, [as instituições] vão apodrecendo”.

O Presidente da República já tinha abordado o mesmo tema, na sequência de uma notícia do Observador, da semana passada, que revelava que Manuel Clemente teve conhecimento de uma denúncia de abusos sexuais de menores relativamente a um sacerdote do Patriarcado e chegou mesmo a encontrar-se pessoalmente com a vítima, mas optou por não comunicar o caso às autoridades civis e por manter o padre no ativo com funções de capelania.

Marcelo Rebelo de Sousa quis clarificar essas afirmações que fez na semana passada sobre o assunto. Na altura, disse que, pessoalmente, não via razões para que Manuel Clemente ou o seu antecessor no Patriarcado de Lisboa José Policarpo tenham “querido ocultar da justiça” crimes, escusando-se a fazer “juízos específicos” sobre a alegada ocultação de uma denúncia de abusos sexuais.

Esta sexta foi questionado se mantinha a mesma opinião. O Presidente da República esclareceu que na altura quis transmitir que, para lá da sua opinião pessoal, há órgãos competentes para avaliar estas questões, designadamente a Justiça e agora a própria Comissão. Sobre o grupo de trabalho constituído em janeiro, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que um dos efeitos positivos foi pedagógico, justificando que, no seu entender, o trabalho da Comissão tem ajudado “a Igreja a fazer o seu percurso em termos de mentalidade” e a “perceberem que uma instituição só ganha com a verdade e a transparência”.

O jornal Expresso divulgou esta sexta-feira uma investigação em que revela que um padre denunciou 12 sacerdotes por alegados abusos sexuais, seis dos quais estão ainda no ativo. Segundo o semanário, o padre apresentou há cerca de dois meses todas as informações que detinha à Comissão Independente, mas já havia exposto as suas suspeitas a altos responsáveis do Patriarcado de Lisboa e a procuradores do Ministério Público (MP).

Dois desses sacerdotes, sobre os quais o padre tinha dossiês extensos com informação, chegaram a ser alvo de investigação por parte do MP, que acabou por arquivar o processo. Um deles continua no ativo, numa paróquia numa capital europeia, e o outro pediu dispensa de todas as obrigações sacerdotais e o celibato em 2020.

Na semana passada, o jornal Observador revelou que o patriarca de Lisboa tinha tido conhecimento de uma denúncia de abusos sexuais de menores, relativa a um sacerdote do Patriarcado e chegou mesmo a encontrar-se pessoalmente com a vítima, mas optou por não comunicar o caso às autoridades civis e por manter o padre no ativo com funções de capelania.

Na edição de hoje, o Expresso acrescenta que, além de Manuel Clemente, também o bispo da Guarda, Manuel Felício, e o bispo emérito de Setúbal, Gilberto Reis, terão tido conhecimento de queixas de abusos por parte de padres e não comunicaram essas suspeitas nem à Polícia Judiciária nem ao MP.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Marcelo sublinha importância dos testemunhos sobre casos de assédio na Igreja Católica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião