Stellantis: seguros a partir de dados arrancam no Brasil

  • ECO Seguros
  • 18 Setembro 2022

A Stellantis fechou acordo com a LexisNexis para vender seguros a partir de dados de automóveis brasileiros conectados. A tech diz que até 2028 todos os veículos sairão das fábricas ligados à web.

A Stellantis fechou um acordo, no Brasil, com a empresa tecnológica LexisNexis para vender seguros elaborados a partir de dados fornecidos por automóveis conectados.

A LexisNexis vai processar os dados enviados pela Stellantis, e é a partir dos modelos feitos pela empresa que as seguradoras, que subscrevem o risco, farão as propostas.Envato Elements

O grupo automóvel espera terminar o ano com 150 mil veículos conectados vendidos no Brasil, e estima-se que, em pelo menos 60% deles, os proprietários consintam na utilização de dados por parte das empresas.

O consentimento é um requisito da Lei Geral de Protecção de Dados (LGPD) e a estimativa de quantos utilizadores irão aderir provém de estudos nos EUA e na Europa.

Começamos com 150 mil carros conectados. Esperamos pelo menos 60% desse volume com consentimento“, disse Susan Erdosi, líder de produtos de telemetria na LexisNexis. Segundo ela, o maior desafio para as empresas será mostrar aos clientes os benefícios da partilha de informação.

A ideia do acordo é utilizar os dados para fazer ofertas de seguros mais atrativas aos clientes, com base, por exemplo, na sua utilização diária do carro. A LexisNexis processará os dados enviados pela Stellantis, e é a partir dos modelos produzidos pela empresa que as seguradoras, que subscrevem o risco, farão ofertas aos proprietários de automóveis.

Segundo Erdosi, a novidade permitirá às seguradoras seleccionar mais rapidamente os riscos que desejam cobrir e geri-los mais tarde.

As seguradoras poderão consultar os dados do veículo do CPF do cliente, ou do CPF do chassis, com a Lexis. Em todos os casos, os dados só serão enviados se o condutor tiver consentido na partilha.

O programa incluirá informações tais como quilometragem e pontuação, criadas pela empresa com base no tipo de viagem que o condutor faz, com que frequência usa o carro e com que frequência conduz para lugares onde não costuma ir.

As duas empresas afirmaram num evento em São Paulo que se espera que a frota de carros conectados nas estradas brasileiras de marcas Stellantis cresça durante os próximos dois anos. O fabricante estima vender 300 mil automóveis no próximo ano.

Atualmente, modelos como o Jeep Renegade e Fiat Toro já deixam a fábrica com a tecnologia incluída. O novo Fiat Fastback, que será lançado esta semana, também será conectado, e a ideia do Stellantis é alargar a funcionalidade a todas as marcas e modelos no futuro.

A Lexis prevê que, até 2028, todos os automóveis à venda no mercado sejam de modelos conectados. O setor vê esta mudança como uma oportunidade de aumentar a frota segurada no país. “Hoje, um quinto dos carros saem da fábrica cobertos por seguros. Até 2031, todos os carros deixarão a fábrica conectados”, disse Giuliano Mourão, diretor geral da divisão de seguros da LexisNexis no Brasil.

A Stellantis é fabricante, entre outras, das marcas Fiat, Alfa Romeo, Opel, Peugeot, Citroen e Jeep.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Stellantis: seguros a partir de dados arrancam no Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião