Economia cresce 6,7% este ano e aterra para 1,2% em 2023, prevê o CFP

O Conselho das Finanças Públicas está otimista em relação ao crescimento da economia este ano. Já para 2023, é a instituição que apresenta as previsões mais baixas.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) publicou esta quinta-feira as previsões para a economia portuguesa até 2026. Este cenário macroeconómico é apresentado numa base de políticas invariantes, o que quer dizer que não considera naturalmente medidas que o Governo venha a tomar, nomeadamente no Orçamento do Estado para 2023.

Se para este ano as notícias sobre a economia portuguesa são boas, para o ano, nem por isso. Este ano, a instituição liderada por Nazaré da Costa Cabral prevê um crescimento do PIB de 6,7%, um valor até superior aos 6,4% com que o Governo está a trabalhar.

Diz o CFP que esta previsão é suportada, “em larga medida, pelo forte desempenho, no primeiro semestre, das exportações de serviços e do consumo privado, beneficiando de um quadro de poupança ainda acima da média histórica”.

Para 2023, a história é outra. O CFP prevê um crescimento do PIB, mas bastante mais contido, de apenas 1,2%, “fruto da persistência das pressões inflacionistas, com consequências negativas para o consumo privado, e do abrandamento da atividade económica externa”. Para este ano, o CFP está a prever uma inflação de 7,7% e para o próximo ano de 5,1%.

1,2% é a previsão mais baixa até agora apresentada para a economia portuguesa. Para 2023, a Comissão Europeia prevê um crescimento de 1,9%, o FMI 1,9%, o Banco de Portugal 2,6% e a OCDE 1,7%.

Na conferência de imprensa de apresentação do relatório, a presidente do CFP não afastou o cenário de uma recessão. Não é de excluir uma recessão. O cenário que temos é um cenário prudente face à informação que dispomos”, disse Nazaré da Costa Cabral.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Economia cresce 6,7% este ano e aterra para 1,2% em 2023, prevê o CFP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião