Ministro britânico pressiona BIBA sobre comissões de seguros “amorais” e exige mudanças

  • ECO Seguros
  • 22 Setembro 2022

O ministro britânico Simon Clarke escreveu a Steve White, CEO da Associação Britânica de Corretores de Seguros, a exigir alterações imediatas às comissões injustas dos seguros de edifícios.

A Autoridade de Conduta Financeira (FCA) britânica divulgou o relatório sobre seguros de edifícios de uso misto. Simon Clarke, o novo Secretário de Estado para a Habitação e Comunidades escreveu ao chefe executivo da British Insurance Brokers’ Association (BIBA) Steve White sobre os dados “perturbadores”.

Simon Clarke foi nomeado Secretário de Estado britânico da Nivelação, Habitação e Comunidades a 6 de Setembro de 2022.

O relatório de 67 páginas da FCA refere que as taxas de prémios para edifícios residenciais com várias ocupações duplicaram entre 2016 e 2021.

O documento da FCA informa ainda que “a taxa de comissão paga pela seguradora ao corretor varia significativamente. Na maioria dos casos dentro das observações que recebemos e utilizámos para a nossa análise, é de pelo menos 30% (variam entre <10% e 62%). O nível de algumas comissões neste mercado é uma área de preocupação significativa”.

A FCA afirmou que irá proceder a uma revisão dos corretores de seguros que cobram as comissões mais elevadas e que irá também considerar outras regras sobre as transações.

Na carta ao regulador, Simon Clarke escreveu que “o relatório apresenta provas perturbadoras sobre as práticas remuneratórias. As comissões dos corretores representam 30% do prémio, e o valor médio absoluto das comissões mais do que triplicou para os corretores entre 2016 e 2021 (aumento de 261%) para uma média de 4690 libras esterlinas (5374.84 euros) por edifício. Na maioria dos casos, o corretor partilha a sua comissão com o agente/acionista e em mais de metade dos casos, estas partes recebem 50% ou mais da comissão do corretor”. O ministro declara que “não é claro como é que estas práticas podem ser de qualquer benefício para os arrendatários”.

“A pressão financeira atualmente exercida sobre os arrendatários é inaceitável” escreveu Clarke, “e o aumento real das comissões passadas aos agentes gestores à custa dos arrendatários é amoral, carece de uma ligação à entrega de um produto justo e de qualidade, e deve cessar urgentemente”, sublinhou.

O deputado, que deu ao BIBA até ao final do mês para fornecer uma cronologia das medidas que pretende tomar, acrescentou: “O meu departamento trabalhará em estreita colaboração com a FCA para assegurar que sejam tomadas medidas para fazer face a estas comissões injustas“.

Outras conclusões da análise do supervisor incluem uma contínua falta de transparência e divulgação para os arrendatários tanto do setor dos seguros como do setor imobiliário; uma contração na oferta de cobertura, dada a apetência limitada das seguradoras por edifícios com revestimento inflamável; o facto de os arrendatários não serem classificados como clientes segundo as regras da FCA; deficiências em torno da disponibilidade, exatidão e qualidade dos dados; e atrasos nos esforços para compreender melhor os riscos que estão a ser subscritos devido à falta de inspetores e peritos em segurança contra incêndios devidamente qualificados.

Continuamos perfeitamente conscientes dos desafios que os arrendatários afetados pela crise do revestimento e da segurança contra incêndios enfrentam“, comentou o Diretor-Geral das Apólices de Seguros da Associação das Seguradoras Britânicas (ABI), James Dalton. “Apoiamos as recomendações da FCA sobre um esquema de partilha de riscos e temos vindo a discutir várias opções com a indústria e o Governo. O nosso trabalho nesta área vai continuar a ritmo acelerado”.

Dalton, que salientou que apoiar os arrendatários para reduzir os custos de seguro é uma prioridade para a ABI, mencionou ainda que pretendem “melhorar a transparência para os arrendatários e trabalharemos com a FCA para implementar um quadro que o permita”.

O aumento dos prémios de seguro para os residentes é um efeito secundário comum no Reino Unido, da crise de segurança dos edifícios na sequência do caso do incêndio da Torre Grenfell. A publicação Inside Housing relatou numerosos casos de residentes que viram os seus prémios aumentar em mais de 1,000% na após se detetarem defeitos de segurança em caso de incêndio nos edifícios de uso misto.

 

 

 

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ministro britânico pressiona BIBA sobre comissões de seguros “amorais” e exige mudanças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião