Portugal dá 1,5 milhões para o fundo de luta conta o VIH, tuberculose e malária

  • ECO
  • 22 Setembro 2022

Com este anúncio, o país aumenta em 50% o valor da sua contribuição para o Fundo Global, em comparação com o valor de um milhão de euros do triénio anterior.

Portugal vai dar uma contribuição de 1,5 milhões de euros para o Fundo Global de Luta contra o VIH/SIDA, Tuberculose e Malária, no sentido de serem incrementadas em 30% as contribuições dos seus membros, para financiamento das atividades no triénio 2023-2025, refere um documento enviado esta quinta-feira pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Com este anúncio, o país aumenta em 50% o valor da sua contribuição para o Fundo Global, em comparação com o valor de um milhão de euros do triénio anterior. Esta contribuição é assegurada conjuntamente pelos orçamentos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, e do Ministério da Saúde.

O objetivo do fundo é angariar financiamento para o próximo ciclo trienal de subvenções na resposta às três doenças, na expectativa de que esse montante possa vir a salvar 20 milhões de vidas, reduzir em cerca de dois terços as mortes por VIH/SIDA, tuberculose e malária, bem como reforçar os sistemas de saúde e comunitários. Desde o início da pandemia, este fundo investiu mais de 4,3 mil milhões de dólares.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal dá 1,5 milhões para o fundo de luta conta o VIH, tuberculose e malária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião