E se as abelhas forem o coração (e o core) do negócio?

Cécile Lochard, chief sustainability officer da Guerlain, em entrevista ao Ecoolhunter, fala sobre a visão de sustentabilidade da marca, que é estratégica e ao mesmo tempo inspiradora.

Cécile Lochard é chief sustainability officer da Guerlain. Em entrevista ao Ecoolhunter, fala sobre a visão de sustentabilidade da marca, que é estratégica e, ao mesmo tempo, inspiradora para todos os colaboradores da Casa francesa. Um dos segredos está na proteção das Abelhas, um dos mais importantes tesouros do planeta.

  • Uma vez que a natureza está no centro de tudo o que Guerlain faz, como é que a sustentabilidade está a ser trabalhada pela marca?

Na Guerlain, a integração da sustentabilidade no centro da nossa estratégia é um passo fundamental para garantir a qualidade e longevidade das nossas criações e savoir-faire. Estamos plenamente conscientes de que o compromisso com esta questão-chave nos permite retribuir à natureza e ajudar na preservação da beleza do mundo à nossa maneira, e principalmente as abelhas, símbolo da Casa e guia para o nosso compromisso. Devemos-lhes muito.

Ao longo dos últimos anos e graças ao nosso historial de 13 anos, a Casa mudou significativamente em torno dos requisitos e ações de sustentabilidade, mantendo-se fiel aos seus valores. Em poucas palavras, diria que a Sustentabilidade é trabalhada de diversas maneiras, desde a fórmula dos produtos até ao seu fim de vida, desde o fornecimento sustentável ao eco-design e à transparência. Por exemplo, no que diz respeito à inovação sustentável, os nossos novos cremes Abeille Royale têm sido alguns dos nossos best-sellers e também os nossos campeões em termos de embalagens eco desenhadas.

Com um aspeto mais eco-friendly e contemporâneo, os frascos de Abeille Royale foram inteiramente refeitos no ano passado com um design que está mais em contacto com a natureza, reduzindo a pegada de carbono anual do frasco em 44% (565 menos toneladas de emissões de CO2) e o consumo de água em 42%. Os nossos novos cremes foram fabricados usando um inovador vidro Infini® NEO, do nosso parceiro Verescence. É o primeiro premium feito com materiais 90% reciclados, incluindo 25% de vidro pós-consumidor (PCR). Isto também é mostrado através do nosso icónico frasco recarregável.

 

  • Com novos lançamentos e novos projetos na área da sustentabilidade, qual será a próxima aposta da marca?

A próxima aposta da Guerlain é a nossa parceria de cinco anos de sustentabilidade com a UNESCO-MAB em colaboração com o Observatório Francês das Abelhas. Este projeto consistirá na criação de apicultores afiliados em todo o mundo através da formação e apoio, contribuindo assim para a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. O seu papel será desenvolver operações modelo de apicultura de qualidade dentro das reservas de biosfera designadas pela UNESCO. O Observatório Francês (L’Observatoire Français d’Apidologie) supervisionará toda a instalação e treino e dará apoio.

A parceria inclui quatro eixos:

  1. Formação de apicultores dentro das reservas da biosfera da UNESCO;
  2. Criação e instalação de operações apícolas cada uma com 50 colmeias;
  3. O apoio técnico e o acompanhamento para garantir o desenvolvimento sustentável e um modelo de negócio estável;
  4. A medição dos benefícios da polinização nos ecossistemas locais.

À luz da pandemia CÓVID-19, a formação de apicultores inicialmente prevista para abril e maio de 2020 foi adiada para abril de 2021, de forma a proteger a segurança de todos os participantes nesta parceria. As futuras zonas dentro das biosferas marcadas para 2021 já foram identificadas e os participantes foram selecionados, estão em preparação para o primeiro programa de formação.

  • A sustentabilidade é um fator de sucesso para o futuro do negócio?

Do nosso ponto de vista, ter o impacto mais positivo na sociedade e no ambiente não depende de uma estratégia baseada apenas em retornos financeiros. Há um sentido de história para uma casa de luxo como a Guerlain, e trabalhar para incorporar profundamente práticas de sustentabilidade em todas as suas cadeias de valor é um fator determinante do sucesso e continua a fazer parte dos valores da empresa e da cultura. A sustentabilidade está profundamente ligada ao sucesso futuro do nosso negócio.

  • Os consumidores exigem marcas mais transparentes e sustentáveis. Como é que estão a comunicar e a adaptar-se às mudanças?

Consideramos que investir, agir e assumir um compromisso com a responsabilidade social é um estímulo incrível para a inovação. É um incentivo para a criatividade e para a conveniência, uma vez que o nosso compromisso aumenta a nossa capacidade de nos ligarmos aos clientes, reforça a lealdade e reforça o apelo da marca. Também permite claramente que a Guerlain assuma o seu papel de empresa responsável e cumpra as crescentes expectativas dos clientes como consumidores conscientes. Mais do que nunca, as gerações mais novas — Millenials e Gen Z — pedem uma beleza mais verde e segura e a crise atual reforçou a procura de produtos significativos que respeitem o nosso planeta e as pessoas.

  • Como funciona a BEE RESPECT PLATFORM e como traz notoriedade à marca?

Bee Respect é uma plataforma de transparência e de rastreabilidade inicialmente destinada a uso interno. Foi agora tornado público através do site oficial de Guerlain, em francês desde 2019 e numa versão internacional a partir deste ano. Os consumidores são capazes de acompanhar as gamas de cuidados de pele e maquilhagem da Guerlain, bem como os perfumes icónicos, desde ingredientes até às embalagens. Todo o ciclo de vida dos produtos Guerlain, desde a proveniência das matérias-primas até à reciclagem em fim de vida, é possível descobrir.

Antes de 2022, o nosso objetivo é alargar esta ferramenta de rastreabilidade a 100% das novas criações, mais de 500 ingredientes e mostrar 40 dos nossos fornecedores e parceiros em todo o mundo. Alinharmo-nos com os requisitos regulamentares europeus e responder à exigência de transparência e rastreabilidade dos consumidores, reforçando os principais compromissos da Guerlain com a biodiversidade, a inovação sustentável, o clima e a cidadania.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se as abelhas forem o coração (e o core) do negócio?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião