FGA: Novos desafios são mobilidade elétrica, veículos autónomos e mais responsabilidade civil

Isabel Carrola, diretora coordenadora do Fundo de Garantia Automóvel explica como está o nível de proteção para quem é vítima de veículos sem seguro ou desconhecidos. E prepara o futuro.

O Fundo de Garantia Automóvel (FGA) faz 40 anos com um currículo de 13 mil pessoas assistidas na recuperação de danos corporais e 50 mil pessoas compensadas por danos materiais resultantes de acidentes de viação em que o responsável ou não tinha seguro automóvel válido ou é desconhecido.

O FGA está na dependência da ASF – Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões mas é um organismo autónomo, com receitas próprias proporcionadas pelo pagamento de todos os segurados de 2,5% do prémio do seu seguro de automóvel responsabilidade civil e taxas acrescidas para danos próprios. Também tem receitas obtidas por reembolso dos responsáveis pelos acidentes, em 2019 conseguiu recuperar cerca de 20% do valor das indemnizações pagas às vítimas.

O Fundo tem uma gestão autónoma, desde 2019 liderada por Isabel Carrola, jurista que há 20 anos está dedicada ao FGA. Para explicar o que é e como está o FGA, bem como o que se prevê aconteça num futuro próximo. Foi entrevistada por ECOseguros.

O que é e como funciona o Fundo de Garantia Automóvel

O FGA e a ASF, para que serve o Fundo, cuidados a ter quando se recorre ao Fundo, qual o papel das seguradoras e os prazos obrigatórios e conseguidos para regularizar sinistros.

Recuperar fundos a responsáveis por acidentes e os novos desafios

Como o FGA vai atrás dos responsáveis e qual o sucesso na recuperação de fundos, regularizar em Portugal acidentes ocorridos no estrangeiro, os novos desafios perante segway e bicicletas e trotinetes movidas a energia elétrica, os veículos autónomos e a necessidade de maior proteção de de peões menores de idade, idosos e ciclistas através da revisão dos pressupostos da responsabilidade civil.

 

Os 40 anos do Fundo de Garantia Automóvel são celebrados no próximo dia 25 de setembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FGA: Novos desafios são mobilidade elétrica, veículos autónomos e mais responsabilidade civil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião