• Entrevista por:
  • António Ferreira

Mudey dá ao utilizador autonomia e “total controlo na compra e gestão dos seguros”

Inspirada na mudança, a Mudey chega ao mercado seguros 100% digital e 100% independente. Acessível através de alguns cliques, evitando contacto físico e deslocações desnecessárias, ilude a Covid-19.

Ana Teixeira acumulou experiência na distribuição de seguros digitais no Reino Unido e em França e é cofundadora da insurtech portuguesa Mudey. Em entrevista escrita a ECO Seguros, explica que a plataforma foi pensada para todos os consumidores de seguros que procuram uma solução simples, acessível, transparente e personalizada.

 

“Ao criar uma área pessoal, a sua Wallet, cada utilizador passa a dispor de um local único para centralizar e gerir os seus seguros de vários tipos e de qualquer seguradora” – Ana Teixeira, cofundadora e responsável pelo dia-a-dia da Mudey.

 

Assumindo rotura com o modelo tradicional, como encara a liderança feminina do negócio?

A Mudey aconteceu naturalmente. Eu e a Sónia, cofundadoras, fruto da nossa diferente experiência académica e profissional, complementamos conhecimentos, combinamos saberes e alinhamos objetivos, sempre com a certeza que caminhamos na mesma direção. Pelo facto de sermos irmãs, fazemos valer uma base sólida de confiança e entreajuda, alicerces que consideramos fundamentais para o crescimento sustentado do negócio.

A plataforma e a “Wallet Mudey” nasceram como soluções próprias ou construídas por terceiros?

A plataforma da qual a Wallet faz parte, é uma solução e uma criação própria. A empresa é formada uma equipa multidisciplinar e experiente no setor dos seguros e modelos de negócio digitais. A motivação de avançar com o projeto nasceu em 2018. Depois foi o tempo necessário para idealização, projeção e criação da plataforma. Contámos com uma ronda de investimento inicial de 720 mil euros, de investidores sediados em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América.

Ofertas de seguros 100% digitais já não são inéditas em Portugal…

Acreditamos que o futuro se escreve nos canais digitais para a maioria dos consumidores de seguros. É para lá que caminhamos, inevitavelmente. No caso da Mudey, diferenciamo-nos dos mediadores tradicionais pelo facto de nos fazermos valer da desmaterialização dos processos, recorrendo ao digital a 100%. Nesse processo, utilizamos uma fórmula que, através de inteligência artificial, descomplica o processo de compra e gestão de seguros e permite avaliar as diferentes soluções de mercado e contratar os seguros pretendidos. Para além disso, o utilizador recebe sugestões personalizadas, de acordo com as suas necessidades, interesses, ocupação profissional e até hobbies. Trata-se de uma plataforma inteligente que dá ao utilizador autonomia e total controlo do processo de compra e gestão dos seguros.

"O facto de chegarmos ao mercado em tempo de pandemia acabou por ser uma coincidência, uma vez que o projeto foi pensado e arrancou muito antes. Em todo o caso, conseguimos perceber que este tempo de exceção serviu para realçar e valorizar o serviço da Mudey. ”

Ana Teixeira, co-founder.

Quais são as apostas em termos de produtos e segmentos de mercado?

A Mudey é um mediador de seguros registado na ASF no ramo Vida e não Vida. Temos ambição e vamos oferecer um portefólio alargado de produtos aos nossos utilizadores. De momento, através da nossa plataforma online, disponibilizamos 9 tipos de seguros onde os utilizadores podem simular, comparar, comprar e gerir de forma 100% digital: vida, saúde, viagem, acidentes pessoais, bicicleta, trotinete, drones, crianças e família. Temos capacidade para implementar um novo tipo de seguro, na nossa plataforma, totalmente automatizado, por mês. A Mudey é pensada para todos os consumidores que procurem uma solução simples, acessível, transparente e personalizada para comprarem e gerirem os seus seguros. De forma 100% digital.

Optando pela Mudey, o que ganha o utilizador além da gestão integrada dos seus seguros?

Ao criar uma área pessoal, a sua Wallet, cada utilizador passa a dispor de um local único para centralizar e gerir os seus seguros de vários tipos e de qualquer seguradora; um local para armazenar e centralizar a documentação, em formato digital; um serviço de mediação personalizada e pesquisa de mercado consoante as suas necessidades e interesses e serviços inteligentes de gestão de renovações de seguros. Mais novidades serão implementadas num futuro próximo.

A nível da proteção dos dados pessoais, que garantias têm os utilizadores da plataforma?

Regemo-nos por um conjunto de processos internos rigorosos, e de acordo com a legislação em vigor, por forma a garantir a proteção dos dados pessoais submetidos na plataforma, por parte de todos os utilizadores. Este é um princípio basilar da Mudey.

As seguradoras parceiras têm respondido ao que se diz serem novas necessidades dos consumidores?

Vemos que os nossos parceiros acreditam no projeto da Mudey como sendo o futuro do setor, e como tal temos sentido uma grande vontade de participação e adaptação à mudança. Por outro lado, os seguros necessitam sempre de dar resposta aos diferentes desafios experienciados pela sociedade e pelas pessoas, e fruto disso é um produto em constante transformação. Reconhecemos que também aqui, existe uma abertura por parte dos nossos parceiros em explorarem novas possibilidades.

Nesse percurso o que significa o contexto de pandemia?

Estamos online desde julho de 2020. O facto de chegarmos ao mercado em tempo de pandemia acabou por ser uma coincidência, uma vez que o projeto foi pensado e arrancou muito antes. Em todo o caso, conseguimos perceber que este tempo de exceção serviu para realçar e valorizar o serviço da Mudey. Por um lado, a inevitável valorização do online e da abertura aos canais digitais e, por outro, sendo uma plataforma que permite um processo 100% digital, evitam-se contactos físicos e deslocações desnecessárias. Uma das características da Mudey é precisamente a celeridade com que se agilizam os processos, de forma simples, digital e intuitiva. Com poucos cliques, o utilizador encontra aquilo que procura e que realmente precisa, guardando o seu tempo para o que realmente é mais importante.

Como espera crescer a base de clientes, abordar o segmento empresarial? Qual é a estratégia?

Somos uma insurtech startup. A nível de crescimento, temos objetivos para alcançar os 5 mil utilizadores no primeiro ano de atividade e os 20 mil até ao final do terceiro ano. Arrancamos inicialmente com uma estratégia B2C, respondendo diretamente ao utilizador final, através de um contacto próximo e constante via chat e email. Quanto às ferramentas para o efeito, e como empresa digital, fazemo-nos valer essencialmente dos nossos canais online. Vamos também apostar, em breve, numa estratégia B2B2C uma vez que a nossa plataforma tecnológica já está preparada nesse sentido.

Na atual fase de mercado já recolheu indicações que permitam perceber tendências?

Os ramos que apresentam maior procura são, naturalmente, os obrigatórios por lei, como é exemplo o seguro automóvel, ou devido a obrigações contratuais, como é exemplo o multirriscos habitação ou seguro vida crédito. Em termos de tendências, e muito fruto do contexto pandémico da COVID-19, o utilizador está mais atento e acaba por haver um maior interesse em seguros como o de saúde e o de vida.

Pesando fatores incerteza, o que perspetiva para o futuro?

Estamos em fase de arranque e a nossa prioridade, neste momento, é afirmar a Mudey no mercado nacional. Temos ambição de internacionalizar o conceito para os mercados da América do Sul e Estados Unidos da América, onde temos já contactos preestabelecidos.

  • António Ferreira

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mudey dá ao utilizador autonomia e “total controlo na compra e gestão dos seguros”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião