Qual o perfil dos colaboradores que a Zurich anda à procura

Nuno Oliveira, diretor de recursos humanos explica como a companhia respondeu à pandemia com recrutamento virtual e quais os talentos que está a privilegiar. Gerações digitais são prioridade.

A Zurich, 6º maior grupo segurador em Portugal com 770 milhões de euros de prémios emitidos em 2019, adaptou-se ao momento crítico causado pela pandemia Covid-19 a começou a recrutar de forma virtual. Nuno Oliveira, diretor de Recursos Humanos da Zurich Portugal desde 2014, psicólogo de formação, mas com muitos complementos de gestão em geral e diretamente em recursos humanos, explica qual o perfil preferido para os que estão a ser recrutados para a companhia que conta com 500 colaboradores em Portugal.

Nuno Oliveira, diretor de recursos humanos (Zurich): ” Estamos focados em repensar novos modelos de trabalho, identificar novas oportunidades e desafios para perfis criativos, inovadores e com flexibilidade/capacidade de adaptação”.

 

O processo de recrutamento continuou na companhia durante a crise Covid-19?

Mantivemos os nossos processos de recrutamento a decorrer, com a devida adaptação ao formato virtual. Pontualmente já fazíamos algumas entrevistas virtuais – sempre que surgia esta necessidade por parte do recrutador da nossa equipa ou do próprio candidato –, e já realizávamos alguns testes online para maior comodidade dos candidatos e eficiência em termos de tempo e recursos. Também já participávamos em feiras de emprego virtuais, uma experiência ainda relativamente recente, mas uma aposta naquela que seria já uma tendência futura.

Recrutar em modo online provou eficácia?

Podemos afirmar que, após termos entrado em pleno estado de emergência, foi com relativa naturalidade que passámos a realizar todas as etapas dos processos de recrutamento e seleção online, incluindo também o plano de acolhimento e integração (onboarding) dos novos colaboradores que entretanto se juntaram à Zurich, no qual continuamos a introduzir algumas melhorias e ajustes.

Que perfis está a Zurich a recrutar?

Nestes últimos meses já recrutámos perfis muito específicos e, continuamos com diferentes processos em aberto, tais como: Data Analyst, Data Scientist, Senior Business Analyst, Reserving Actuary ou Claims Analyst. Esta tipologia de perfis assenta na nossa certeza de que estas funções vão contribuir para a transformação digital do setor segurador que já vivíamos e que agora foi claramente acelerada com a pandemia por Covid-19.

Que perfil pessoal e soft skills procuram?

Inteligência emocional, pensamento crítico, criatividade e inovação, espírito colaborativo, autodesenvolvimento, responsabilidade e sentido de ética. Estas são as principais características/competências que procuramos em todos os candidatos que querem trabalhar na Zurich.

Qual a importância do recrutamento da Geração Z (nascidos entre 1995 e 2010, nativos digitais) para o setor segurador?

Todas as gerações são importantes para qualquer setor. É na diversidade, convivência entre gerações e na aprendizagem mútua entre elas que se conseguem os melhores resultados. Com a transformação digital que o setor segurador vive, é fundamental obtermos o contributo ativo das diferentes gerações, em particular, das gerações millennial (nascidos entre 1980 e 1995, criados durante a generalização da internet) e Z que de um ponto de vista digital e tecnológico são as que dominam as novas tecnologias e as que marcam as tendências do mundo online. Juntar o dinamismo e a criatividade cada vez mais exigidos pelo mercado (que está em permanente mudança) à experiência e estrutura inerentes a um setor sólido como o segurador é uma receita para o sucesso.

Que outras gerações estão a recrutar?

Em cada processo de recrutamento que realizamos, damos um peso importante à discussão do tipo de perfil requerido tendo em conta diferentes tipos de variáveis, desde o objetivo principal da função aos restantes perfis existentes na equipa, independentemente, de serem áreas de suporte, áreas mais diretamente ligadas ao core business do setor ou áreas ditas especialistas.

Recentemente marcámos presença na “Job Summit – Edição Universitária”, feira de emprego totalmente virtual dedicada a estudantes e finalistas do ensino superior, cuja participação consideramos que foi um sucesso. Em apenas dois dias, o stand da Zurich recebeu milhares de visitas e centenas de candidaturas de estudantes de diversas áreas de estudo e de diferentes localizações geográficas, na sua maioria candidatos da geração Z. Vamos continuar a marcar presença neste tipo de feiras de emprego virtuais que são formas mais ágeis de identificar talento junto destas gerações.

Na Zurich Portugal 68% dos cargos de chefia são ocupados por mulheres e a média de idades dos colaboradores é de 43 anos

Qual a antiguidade média da companhia, idade média dos colaboradores e distribuição entre homens/mulheres?

A antiguidade média dos colaboradores da Zurich em Portugal é de 14 anos e a idade média dos colaboradores é 43 anos. Temos 54% de homens e 46% de mulheres. Os cargos de chefia são 68% ocupados por mulheres e 32% por homens.

Que tipo de mensagem pode deixar para quem trabalha/quer trabalhar em seguros?

O setor segurador é um excelente setor para trabalhar e desenvolver uma carreira, seja a nível nacional ou internacional, pelo menos no caso da Zurich, enquanto multinacional que está presente a nível mundial. Nesta transformação digital que o setor segurador atravessa, num mundo cujo paradigma tem mudado muito rapidamente – principalmente nos últimos meses -, estamos focados em repensar novos modelos de trabalho, identificar novas oportunidades e desafios, o que consideramos fortes estímulos para perfis criativos, inovadores e com flexibilidade/capacidade de adaptação. Pessoas que desenvolvam estas características terão mais oportunidades para assumir novos projetos e diferentes níveis de responsabilidades, assim como maior probabilidade de poderem vir a assumir cargos de coordenação e liderança.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual o perfil dos colaboradores que a Zurich anda à procura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião