Sandra Moás: ASISA tem novo seguro de saúde e quer clínicas em Portugal

A seguradora espanhola detida por uma cooperativa de médicos entra em força em Portugal com um novo seguro de saúde e está compradora de clínicas para uma expansão planeada a 10 anos.

Sandra Moás: “Seja um sinistro menos ou mais grave, sejam necessários mais ou menos tratamentos, em nenhum momento quebraremos o nosso vínculo enquanto seguradora”.

A ASISA, terceira maior seguradora de Espanha, quer atingir 5% de quota no mercado dos seguros de saúde em Portugal, um ramo que deve superar os 850 milhões de euros em 2020. Para atingir esse objetivo vai lançar um seguro de saúde muito estudado para o mercado nacional ao mesmo tempo que vai arrancar com clínicas próprias, procura aquisições de unidades e estende os seus acordos com outros prestadores. Em 2019, faturou pouco mais de 2,5 milhões de euros em Portugal, mas pretende atingir os 40 milhões em 2030. Contando com pouco mais de 2 anos de atividade e com um investimento direto inicial superior a 5 milhões de euros, a atividade do grupo ASISA em Portugal é ainda bastante recente e a própria seguradora considera-se em fase de arranque.

Portugal marcou em 2015 o início da sua estratégia de internacionalização do negócio segurador, com o lançamento do seguro ASISA Dental, e em 2018 constituem estabelecimento permanente em Portugal em regime de sucursal, lançando o produto de seguro de Vida e o produto de seguro de Acidentes Pessoais. Lançará agora o produto de Seguro de Saúde, consolidando, como afirma, a sua posição no mercado português como “especialista em Seguros de Pessoas”.

Em Espanha a ASISA é protagonista relevante é líder de assistência médica e a terceira maior seguradora de saúde em Espanha, com 1.221 Milhões de euros em Prémios e 13% de quota de mercado. Tem mais de 2,2 milhões de Segurados. Foi fundada em 1971 com capital 100% espanhol, sendo propriedade da Cooperativa Lavinia, da qual fazem parte mais de 10 mil médicos cooperativistas.

Sem fins lucrativos, reinveste todos os lucros contando atualmente com 58 empresas do setor segurador, unidades de saúde, tecnológico, análises e outras empregando estas mais de 5.200 colaboradores. O grupo ASISA faturou 1.387,2 milhões de euros em Espanha em 2019, um crescimento de 5% face ao ano anterior e apresentou um resultado consolidado de 26,2 Milhões de euros.

Sandra Moás, de 44 anos, pós-graduada em Gestão de Saúde, é a country manager em Portugal desde 2017 e está a liderar este processo de expansão. Advance Care, Seguro Directo, AXA, fizeram parte do seu percurso profissional de 21 anos em seguros e serviços de saúde. Foi entrevistada por ECOseguros.

O novo seguro de saúde vai ser lançado em novembro. O que traz de novo ao mercado?

É um produto que se distingue das ofertas atuais, por ter uma oferta sem limites de capital, um dos principais constrangimentos na utilização do seguro, nomeadamente em situação de doença grave. Também é totalmente diferenciador na integração da oferta do seguro com a prestação, e nesse sentido, não aplicamos co-pagamentos sempre que os cuidados de saúde forem prestados nas unidades de saúde próprias ASISA.

Que unidades de saúde são próprias?

Em Portugal estamos a abrir as primeiras clínicas e a expandir a rede de serviços, em Espanha o grupo de saúde ASISA conta com 16 Hospitais, 36 Centros Clínicos, 8 Unidades de Reprodução Assistida, 25 clínicas de Oftalmologia e 40 clínicas Dentárias. O acesso dos nossos segurados é livre nos dois países.

 

A que segmentos dirigem o produto?

Dirige-se sobretudo às pessoas que tenham uma preocupação efetiva com a sua saúde e com a necessidade de cuidados médicos. É um produto muito simples, com a cobertura de hospitalização, ambulatório, estomatologia, e assistência médica ao domicílio, ou por video chamada gratuita. Isto significa que

retiramos coberturas acessórias que habitualmente são bastante caras, e com limites reduzidos, como é o caso das próteses e ortóteses ou medicamentos

. Entendemos que o que acrescenta valor é focar a abrangência deste produto nos cuidados de saúde necessários e de qualidade, e por isso, elegemos como bandeira acompanhar os nossos segurados ao longo de toda a sua jornada de vida. Começamos com o nascimento – valorizamos a natalidade, e queremos fazer parte das escolhas das famílias e das novas gerações – por isso temos a cobertura de parto incluída em todas as apólices e cobrimos as sessões de preparação para o Parto. Ao longo do crescimento, estimulamos a proteção das crianças desde cedo, com valores de prémio e ofertas especiais para este segmento, por exemplo os cuidados dentários de caráter preventivo não tem qualquer custo para o segurado, tratando-se de uma cobertura de livre acesso.

E qual o grau de compromisso futuro de manter apólices com os segurados?

O nosso compromisso de acompanhar os nossos segurados ao longo da sua vida materializou-se em ter uma apólice em que não se aplica limite de capital em nenhuma das coberturas. Seja menos ou mais grave, sejam necessários mais ou menos tratamentos, em nenhum momento quebraremos o nosso vínculo enquanto seguradora. Também tivemos uma preocupação com o acesso a cuidados de saúde de qualidade, quisemos por isso oferecer um produto que não está sujeito a co-pagamentos, em nenhuma cobertura, nas mais de 16 Unidades ASISA presentes na Península Ibérica, onde se destacam Hospitais Universitários como por exemplo o de Moncloa em Madrid, reconhecido com o Selo Europeu de Excelência por mais de 6 anos consecutivos.

Assumimos este como um compromisso para a vida e isso significa não aplicar limites de idade de permanência nas nossas apólices

E limites de idade?

Assumimos este como um compromisso para a vida e isso significa não aplicar limites de idade de permanência nas nossas apólices, e estar ao lado dos segurados na altura da vida em que mais precisam da sua seguradora.

O produto surge em plena pandemia, a situação fez mudar os planos?

Desenvolver um produto em época de pandemia revelou-se altamente desafiante, mas sobretudo uma oportunidade, para poder entender necessidades mais profundas por parte dos segurados. Compreendemos que as imposições de confinamento e a instabilidade face às circunstâncias, impactaram e continuam a impactar o nosso bem estar. Entendemos assim incluir o acompanhamento psiquiátrico, incluindo sessões de psicoterapia e psicologia, num claro reforço ao diagnóstico, acompanhamento e prevenção das doenças do foro mental.

Como se vai desenvolver o negócio da ASISA em Portugal?

Faz parte do plano estratégico do grupo ASISA, manter a diversificação da sua atividade e continuar a apostar no reforço e expansão da sua rede prestadora própria, mantendo o reforço na expansão internacional, da qual Portugal claramente faz parte. Assim, existe uma expectativa de crescimento do grupo no país, não só por intermédio do crescimento do seu negócio segurador, mas também pelo crescimento orgânico, ou por aquisição, das suas Unidades de Saúde próprias, e para isso estamos atentos e recetivos às oportunidades de mercado que possam surgir.

O olhar da ASISA é de Portugal como parte de um mercado ibérico?

Em relação ao mercado segurador e de saúde, entendemos que primeiramente temos a grande oportunidade de implementar o nosso modelo assistencial e criar um ecossistema de saúde ibérico. Isso não será apenas inovador, será também único e provavelmente muito difícil de replicar, uma vez que não existem outros operadores com a nossas características a operar a nível ibérico. A nossa orientação estratégica prevê que repliquemos este grande ecossistema, que se reflete ele mesmo em ecossistemas mais pequenos, também ao nível dos produtos, e de fato nesse aspeto, a ligação entre o seguro de saúde e de vida, e mesmo outros ramos, numa perspetiva long tail como a que assumimos na ASISA, faz todo o sentido, estando assim previsto o desenvolvimento de novos produtos de seguros de pessoas que possam cruzar diferentes riscos ao longo do ciclo de vida do cliente, e que resultem numa oferta integrada.

Que outros ramos interessam?

Posicionamo-nos como uma seguradora de Pessoas, e queremos ser reconhecidos como especialistas nesse âmbito. Existem outros ramos que iremos queremos explorar em Portugal, mas que estarão sempre relacionados com as pessoas e o contexto familiar como a sua saúde, a sua vida, a sua família, os seus animais de estimação ou as suas viagens.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sandra Moás: ASISA tem novo seguro de saúde e quer clínicas em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião