Eleições e o ciclo económico: É o desemprego, estúpido!

Depois da vitória do PS nas eleições europeias, estará também já definido o vencedor das eleições legislativas deste ano? É o desemprego, estúpido!, escreve o economista Ricardo Santos.

Existe de algum modo a ideia feita de que nas eleições portuguesas o partido no poder tem sempre vantagem, e de que, na verdade, as eleições não se ganham, mas antes se perdem. Outro lugar comum passa por dizer que os eleitores votam mais com a carteira do que com a cabeça – ou como disse James Carville a Bill Clinton em 1992 – It’s the economy, stupid.

Quando se analisam os resultados das 17 eleições nacionais que ocorreram desde 1983, vemos que uma destas ideias está errada, outra nem tanto – mas qual delas é que se aplica? Depois da vitória do PS nas eleições europeias, estará também já definido o vencedor das eleições legislativas deste ano?

A primeira tese é facilmente posta de parte. Das 17 eleições nacionais que se realizaram nos últimos 36 anos (11 legislativas e 6 europeias), os partidos no Governo venceram oito vezes, ao passo que os partidos na oposição nove vezes. Ou seja, é praticamente um empate, ainda que com uma ligeira vantagem para quem está na oposição há propriamente um benefício de estar no poder ou na oposição. Há um empate entre oposição e governo no que diz respeito a eleições europeias. Já a “vantagem” da oposição deriva das legislativas.

Já a segunda tese é mais difícil de testar, mas ainda assim é possível chegar a uma conclusão: de facto os eleitores votam com a carteira.

Conforme se vê pelo gráfico 1, parece haver alguma relação entre os resultados eleitorais e o crescimento económico (e rendimento disponível). Na maioria dos anos com eleições, o partido no Governo (períodos a verde) tende a ganhar quando há crescimento económico, e a perder para a oposição (a vermelho) em alturas de recessão.

Ainda assim, há algumas exceções, principalmente no período entre 2001 e 2005, quando apesar do crescimento económico (mais ténue do que nas décadas anteriores) a oposição saiu tendencialmente vitoriosa. Já a relação entre o nível de desemprego e resultados eleitorais parece praticamente inexistente. Os partidos no Governo tanto venceram eleições com o desemprego perto de 5% (1999) como de 10% (2009).

No entanto, se substituirmos o nível de desemprego pela variação anual da taxa de desemprego, como está no gráfico 2, vemos que afinal há uma relação bastante evidente e é possível “prever” as vitórias dos partidos no governo ou da oposição.

Quando a linha a preto está negativa, ou seja quando o desemprego diminui, as eleições são sempre ganhas pelos partidos no governo. Isso é particularmente visível no período dos governos do PSD na segunda metade dos anos 80 e inicio dos anos 90 e em menor escala nos governos do PS entre 1995 e 2001. E o oposto também se verifica. Quando desemprego aumenta, a oposição tende a ganhar eleições – e fica assim explicado o motivo que levou à alternância entre PS e PSD entre 2001 e 2005. A única exceção deu-se em 2009, quando o PS ganhou eleições legislativas, depois de perder as eleições europeias e com o desemprego a aumentar – provavelmente explicada pelo algum otimismo ainda reinante e à melhoria do rendimento disponível devido aos aumentos salariais da função publica aprovados pelo PS…

Desde 2014, e com o início da recuperação económica, Portugal voltou a entrar num período de crescimento e mais rendimento com redução do desemprego. Assim, e mesmo tendo em conta o legado do pesado programa de ajustamento, foi possível uma vitória do Governo PSD/CDS em 2014 (ainda que sem maioria absoluta e com o resultado que sabemos…).

E daqui para a frente? Uma vitória fácil do PS?

Tendo em conta o histórico desde 1983, será muito difícil para oposição (PSD+CDS) ganhar eleições nacionais no curto prazo. As eleições europeias foram já o primeiro sinal e dificilmente o cenário ficará mais “simpático” para a oposição nos próximos tempos. Mesmo com todos os avisos e riscos no horizonte, dificilmente a atividade económica deixará de se expandir, apenas será de esperar alguma desaceleração, e, principalmente, o desemprego irá continuar a baixar. Ainda assim, este cenário idílico não vai durar para sempre. A taxa de desemprego já estará abaixo do seu nível “natural”, pelo que já a partir do próximo ano, ou até já na segunda metade deste, não será de estranhar ver até a algum aumento da taxa de desemprego, mesmo com crescimento económico (como aconteceu a partir de 2000/01).

Não são de facto os partidos que ganham as eleições, mas sim a carteira dos eleitores. O mais importante é mesmo desemprego, por isso, os conselheiros de António Costa e de Rui Rio devem (ou deveriam) já estar a preparar os seus post-its para a próxima campanha: É o desemprego, estúpido!

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Eleições e o ciclo económico: É o desemprego, estúpido!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião