Fotogaleria: Lisboa em modo “standby”. Veja como o coronavírus está a parar a capital de Portugal

Serviços, empresas e espaços comerciais encerrados. Menos gente nas ruas. O ECO foi dar uma volta pela capital portuguesa que, forçada pela pandemia, está a parar aos poucos.

Escolas, creches e universidades fechadas. Museus e monumentos também encerrados. Restaurantes e espaços comerciais a seguir o mesmo caminho. O Covid-19 vai mesmo parando Lisboa aos poucos. Nas ruas da capital portuguesa, o movimento é cada vez mais escasso. Os turistas, aqueles que ainda estão por cá, são os que mais se fazem notar ao ocupar as esplanadas (as que ainda se encontram abertas) enquanto os portugueses fazem fila nos supermercados, farmácias e serviços públicos.

Covid-19 no quotidiano das ruas de Lisboa - 16MAR20
Hugo Amaral/ECO

Às 10 da manhã um pequeno grupo de turistas asiáticos passeia em frente à torre de Belém. A maioria usa máscara de proteção e nem para tirar fotografias as retiram. Parecem um pouco desiludidos por não poderem visitar o monumento que se encontra encerrado, mas ao mesmo tempo resignados com a situação.

Um pouco mais à frente, no Mosteiro dos Jerónimos, o cenário é em tudo idêntico. Não se vê praticamente ninguém na zona à exceção de mais um grupo de turistas (também asiáticos) que ouve com atenção as explicações do guia turístico que os acompanha. Ficam-se pelo exterior junto às baias colocadas pela proteção civil numa das portas laterais do monumento.

A meio da manhã, num dia normal, o Terreiro do Paço estaria repleto. Mas a normalidade não é coisa destes dias e Lisboa não foge à regra. O fluxo de pessoas é muito menor naquela zona. Turistas, essencialmente. Alguns ocupam as esplanadas enquanto outros tiram fotografias ao arco que abre caminho à Rua Augusta. E nesta altura já ninguém parece olhar com desconfiança para aqueles que se fazem proteger com luvas e máscaras. No caminho do Chiado até à Praça Luís de Camões ouvem-se alguns desabafos de preocupação e um certo sentimento de uma cidade em modo “standby”. “Até quando é que isto vai durar?” pergunta um dos poucos transeuntes, numa conversa a dois, num passeio da Rua Garrett.

Noutros pontos de Lisboa, longe da zona ribeirinha, o fluxo de turistas deixa de se notar. Na loja do cidadão das Laranjeiras são os portugueses que fazem fila. Nada de novo. Mas hoje a fila tem uma explicação que traz um argumento preventivo. As pessoas entram a conta-gotas de modo a evitar grandes aglomerações no interior do edifício.

Nas traseiras, mais filas. Desta vez para entrar num supermercado que tem, temporariamente e a partir de hoje, um novo horário. Fecha às 17h00. Pelo menos enquanto o estado de alerta em relação à pandemia durar. Até quando? Ninguém sabe.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fotogaleria: Lisboa em modo “standby”. Veja como o coronavírus está a parar a capital de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião