Maria Luís esteve para ser comissária. “Jean-Claude, não ficas pior” com Moedas

O pretexto foi a apresentação do livro de crónicas de Carlos Moedas. Pedro Passos Coelho fez revelações sobre a escolha do comissário europeu, a que esteve para ser e o que foi.

O motivo era a apresentação do livro de crónicas de Carlos Moedas no Correio da Manhã nos cinco anos em que foi comissário europeu, com o título “Vento Suão: Portugal e a Europa”, mas o que se ouviu foi história política recente, e pela mão do principal protagonista, Pedro Passos Coelho, no papel de apresentador. Uma história revisitada, a memória dos que criticaram a escolha de Moedas, desde logo de António Costa, todo o processo que levou à sua indicação, e uma revelação: Maria Luís Albuquerque não foi para a Comissão, para o lugar que veio a ser de Valdis Dombrovskis, porque o BES caiu naquele mês de agosto de 2014. Numa tarde que juntou alentejanos — os amigos da terra do atual administrador da Gulbenkian –, ex-ministros, políticos no ativo, banqueiros, comentadores e empresários, e não contou com ninguém da atual direção do PSD. A (nova) história política de Carlos Moedas começou aqui, neste dia 17 de fevereiro de 2020?

Pedro Passos Coelho foi, como reconhece o próprio Carlos Moedas, a figura decisiva para a sua carreira política. O critério da escolha do apresentador do livro está feita. E Moedas recordou, na sua intervenção, dois dias marcantes. 10 de março de 2010, quando Passos lhe disse que ganharia a liderança do PSD e depois lhe ligaria. E ligou, na sexta-feira seguinte, às 10h00 da manhã. E no dia 31 de julho de 2014, às 21h30, quando o primeiro-ministro lhe ligou para dizer que no dia seguinte o indicaria como comissário europeu.

Antes, Passos Coelho fez um ajuste com a história, alguma dela desconhecida e que antecipa o que o próprio poderá revelar no prometido livro sobre o exercício das funções de primeiro-ministro. Um ajuste de contas com os seus adversários políticos. Primeiro, com aqueles que criticaram a nomeação de Moedas, desde logo António José Seguro, à data líder do PS, e António Costa, candidato a líder. E citou ipsis verbis. “O pior sinal que o Governo poderia dar” na escolha, por causa da alegada ortodoxia europeia do comissário indigitado, pior do que Vítor Gaspar. A vingança serve-se fria. Passos Coelho recordou os elogios que o primeiro-ministro lhe fez na “passagem de pastas” com Elisa Ferreira, em São Bento.

Apresentação do livro "Vento Suão Portugal e a Europa" de Carlos Moedas - 18FEV20

Carlos Moedas poderia ter sido ministro do Governo de Passos Coelho, e teria sido se não fosse para a Comissão Europeia naquele ano. Não foi antes, logo no início do Governo, porque não poderia ter o papel que teve como o secretário de Estado que tinha a responsabilidade de acompanhar a execução operacional do programa da troika quando o programa tinha um titular, o ministro das Finanças, justifica o antigo primeiro-ministro.

Passos Coelho fez outra revelação. Perante uma sala a abarrotar — nomes como Francisco Pinto Balsemão, Vasco Mello, Ilídio Pinho, Esmeralda Dourado, João Talone, Pedro Rebelo de Sousa, Assunção Cristas, José Luís Arnaut, Nuno Crato, Pedro Norton, Miguel Relvas e tantos outros –, o antigo primeiro-ministro revelou que o novo presidente da Comissão Europeia lhe propôs um nome… por sinal um nome que Passos Coelho omitiu, mas que também estava na sala: Silva Peneda. “Caro Jean-Claude, isso não tem pernas para andar”… O presidente indigitado sugeriu Maria Luís Albuquerque, a ministra das Finanças que tinha sucedido a Vítor Gaspar. Primeiro, Passos estranhou, depois, entranhou. E aceitou “equacionar” essa possibilidade. Estávamos em junho/julho de 2014, e o BES já era um problema.

“Tive conversas com o presidente da Comissão” sobre Maria Luís, e desde logo rejeitou a possibilidade de aceitar para Portugal a pasta dos fundos europeus. E afirma não perceber porque é que o atual Governo a queria. Se Portugal é um beneficiário líquido de fundos, tinha interesse em tudo menos nos fundos, afirmou Passos Coelho. A pasta que foi discutida foi a Valdis Dombrovskis, que tinha o euro e o semestre europeu. Mas quando o BES estava mesmo nos últimos dias, e inspirava já as maiores preocupações, Passos Coelho decidiu que não poderia abdicar da sua ministra das Finanças. “Jean-Claude, não ficas pior”, terá dito a Juncker quando indicou o nome de Carlos Moedas.

 

Para Passos Coelho, Carlos Moedas tinha também o perfil que era necessário, um homem do mundo, “um estrangeirado”, cosmopolita, e que tinha sobretudo uma visão transversal da governação no papel que teve no Governo.

Passos Coelho revelou também que, naqueles primeiros dias depois da indigitação, a pasta de que se falava era a dos Assuntos Sociais. “Você fuja disso, homem”, disse-lhe. E Moedas fugiu. Mas como o próprio antigo primeiro-ministro revelou, foi Carlos Moedas a encontrar uma saída, com a área da ciência e da investigação. “Conseguiu fazer do Horizonte 2020 um programa com muito fôlego” e deixou para a nova Comissão Europeia um programa ainda mais reforçado. “E a Europa precisa desse programa como de pão para a boca”.

Na sessão de apresentação do livro de crónicas que tem o nome “Vento do Suão” também como dedicatória ao seu pai, José Moedas, já desaparecido, que escrevia uma crónica com o mesmo nome num jornal alentejano, começou às 18h35, e às 20h40 ainda Carlos Moedas assinava dedicatórias. Já com a sala quase vazia do El Corte Inglês, em Lisboa. Para o administrador da Gulbenkian, a história estava feita. As crónicas serviram para contar uma história da Europa, quando se ouve tanto falar de diretivas europeias e de diretores-gerais, reconheceu Moedas. “Para não se perder a identidade da Europa”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Maria Luís esteve para ser comissária. “Jean-Claude, não ficas pior” com Moedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião