O tempo e a alma no discurso da Uniãopremium

O discurso da União da presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, analisado pelo especialista em assuntos europeus, Paulo Sande.

Foi em 2010 que Durão Barroso fez o primeiro discurso sobre o Estado da União, replicando na Europa um modelo utilizado nos Estados Unidos desde 1801, por escrito, e a partir de 1913, com Woodrow Wilson, sob a forma actual de mensagens orais ao Congresso norte-americano. Nesse primeiro discurso, Barroso carregou nas tintas negras da ameaça e do pessimismo – o tempo era de crise económica, no rescaldo de 2008 – ao afirmar que, chegada a hora da verdade, ou sobrevivíamos juntos ou nos afundávamos um a um. 11 anos e várias crises depois, a sucessora do primeiro Presidente português da Comissão, a alemã Ursula von der Leyen (UvdL), faz um discurso que, em substância, não diz nada de muito diferente. À ameaça que Barroso identificava em 2010, sobrevieram, nos anos subsequentes, a invasão da

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos