A Amazon quer tratar-nos da saúdepremium

Com uma enorme aquisição, a Amazon prepara-se para revolucionar o setor da saúde com uma enorme vantagem competitiva: os dados clínicos.

A empresa de Seattle comprou a One Medical por quase quatro mil milhões de dólares e confirma a aposta na saúde como a próxima área de crescimento. E o potencial está todo lá: estamos a falar de um país em que a saúde é tão cara que a maioria das pessoas só entra num hospital se tiver um acidente e for parar às urgências, o que afasta a prevenção de problemas e transforma a saúde em mais um fator de desigualdade crónica. E há uma vantagem imediata surgida no arrasto da pandemia: a vontade de transformar os cuidados de saúde numa experiência tão virtual quanto possível. Os doentes precisam de cuidados de saúde, mas quer eles quer o sistema preferem evitar deslocações a instalações físicas. É aí que entra a utilidade da empresa de Seattle, ao mesmo tempo experiente retalhista e dona de

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos