A saúde mental e o setor segurador

  • João Miguel Gomes
  • 21 Maio 2020

João Miguel Gomes, Manager da área de Seguros da everis Portugal, sugere que as organizações que fazem da gestão do risco a sua atividade olhem para a saúde mental como uma oportunidade.

A vida em sociedade tem experimentado constantes evoluções do ponto de vista do quotidiano do ser humano, principalmente fruto da evolução tecnológica e da forma como esta se instalou nas rotinas diárias. Uma realidade ainda mais evidente nas atuais circunstâncias, em virtude da necessidade de conter a pandemia provocada pelo Covid-19, que colocou uma boa parte da população a trabalhar e a estudar a partir de casa.

É certo que esta transformação permitiu a criação de novos negócios, gerou mais capacidade de trabalho e menores tempos de resposta, mas, em contrapartida, estamos todos mais pressionados e sempre conectados, o que naturalmente afeta as relações pessoais e até o nosso equilíbrio mental.

Este paradigma acaba por condicionar o balanço entre a vida profissional e a vida das pessoas, levando a que por vezes muitos de nós sintam dificuldade em dar resposta a todas as solicitações do dia, nomeadamente ao nível do trabalho, da família e mesmo no que diz respeito às atividades pessoais.

Esta circunstância não é exclusiva do período em que vivemos e é uma realidade num contexto de normalidade, seja porque um indivíduo assumiu novas responsabilidades profissionais, porque está a passar por um divórcio, ou porque tem à sua responsabilidade os filhos ou um familiar dependente. Os motivos são vários, mas sabemos que estas situações são cada vez mais frequentes e nem sempre as organizações são capazes de lhes responder adequadamente. Apesar disso, é para todos evidente que os empregadores têm cada vez mais preocupação com o bem-estar dos seus colaboradores, porque a produtividade depende muito do equilíbrio e da felicidade de cada um.

Por tudo isto, entendo que a promoção da saúde mental pode ser uma grande oportunidade para as entidades seguradoras. Uma oportunidade do ponto de vista da criação e do fortalecimento das relações, mas também do ponto de vista da gestão do risco, ou da sua mitigação. Não fará sentido promover check ups regulares? Não será de promover um adequado acompanhamento psicológico das organizações e dos agregados familiares? E a disponibilização de serviços médicos personalizados, a preços convencionados, não será também de considerar?

Conscientes de que a mudança constante será o novo normal da sociedade, é de antever que o equilíbrio mental dos cidadãos e dos colaboradores seja posto à prova ao longo de todas as transformações que se preveem acontecer nas próximas décadas. Assim, é absolutamente recomendável que as organizações que fazem da gestão do risco a sua atividade olhem para a saúde mental como uma oportunidade para acompanharem a sociedade de forma estreita e relevante.

  • João Miguel Gomes
  • Manager da área de seguros da everis Portugal

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A saúde mental e o setor segurador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião